quinta-feira, setembro 04, 2008

Memória do Verão

Pensei que ao voltar a morar outra vez sozinho, que pudesse voltar a poder ouvir a música que me apetece, sempre que me apetece, e a poder variar entre estilos musicais quase opostos a cada CD, ou mesmo a manter um CD em repeat horas a fio sem ninguém a protestar por causa isso. Era assim em Inglaterra e era o ideal.
Mas Inglaterra já lá vão 10 anos, e curiosamente, podendo agora ouvir música à vontade, isso não está a acontecer, e a música que ouço, quando ouço música, deixou de ser constante e intensamente amplificadora de sensações e emoções para passar a ser algo simplesmente complementar da actividade mental, quase como uma companhia, música em tom de conversa, música ambiente... Há pessoas que vêem televisão, eu ouço música. (Acho que há uma televisão na sala mas a última vez que lá entrei foi no fim de semana e foi só para regar as plantas).
Neste momento passa na aparelhagem o album que ouvi repetidamente no fim do mês de Junho, quando ainda estava a morar no Lumiar. Tinha acabado de sair aos trambolhões de um periodo algo... contorbado, e estando privado de poder aceder aos meus CDs (encaixotados na garagem), entretinha-me a ouvir CDs que não eram meus. Enquanto esse periodo não passou foi tudo complicado, estava ferido, confuso e revoltado por ter a vida em suspenso, e o melhor que consegui nessa altura foi socorrer-me de mecanismos extrinsecos que me ajudassem a ultrapassar o momento com o mínimo de dano possivel e para variar, que a idade já é um posto, sem me entregar aos excessos e às estragações do corpo do costume, ie: Copos, noitadas e gajas.
Nada disso: Leituras, passeios na praia, piscina, ginásio e a bela da Virago.
Como um bónus ainda fui presenteado com personagens novos, pessoas que conheci, que cairam do céu quando eu menos esperava e que vieram, por breve que fosse o momento, embelezar a minha vida de uma forma maravilhosa e em certa medida inédita.
Ouvir este album agora assim de repente levou-me deliciosamente de volta para esses primeiros dias do Verão. Aqui em baixo está um clip de uma das músicas do album e a respectiva letra.
Ainda não encontrei disponibilidade mental e emocional para escrever sobre esse periodo de Junho/Julho com a devida isenção, com perspectiva e distanciamento. As palavras que poderia escrever, para já, guardo-as para mim, pelo menos por enquanto... Como é que se pode escrever sobre algo que não se compreende?

Zero 7: "Destiny"


I lie awake
I’ve gone to ground
I’m watching porn
In my hotel dressing gown
Now I dream of you
But I still believe
There’s only enough for one in this
Lonely hotel suite

The journey’s long
And it feels so bad
I’m thinking back to the last day we had.
Old moon fades into the new
Soon I know I’ll be back with you
I’m nearly with you
I’m nearly with you


When I’m weak I draw strength from you
And when you’re lost I know how to change your mood
And when I’m down you breathe life over me
Even though we’re miles apart we are each other’s destiny

On a clear day
I’ll fly home to you
I’m bending time getting back to you
Old moon fades into the new
Soon I know I’ll be back with you
I’m nearly with you
I’m nearly with you

When I’m weak I draw strength from you
And when you’re lost I know how to change your mood
And when I’m down you breathe life over me
Even though we’re miles apart we are each other’s destiny

I’ll fly, I’ll fly home
I’ll fly home and I’ll fly home

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit