domingo, novembro 12, 2006

Aftermath - o dia seguinte

Naturalmente que depois do último post que escrevi, antes do concerto, ficou implicito na minha cabeça que escreveria este post, depois do concerto.
Confesso que estive para simplesmente postar aqui o meu número de telefone para não ter que escrever e poder dar um relato pessoal a quem estivesse interessado, mas a melhor parte de mim desaconselhou-me. (Histórias de privacidade)
O Concerto foi muito bom (Casa cheia), gostei imenso de ter ido e de ter ficado a conhecer a Aula Magna (recomendo a quem lá for assistir a concertos que gaste mais uns trocados e compre bilhete para os doutorais).
Sobre a actuação do Fish, gostei imenso de o ver, a caminho do 50 anos, a mostrar a mesma presença impertinente em palco com que o vi no concerto no Cinema Alvalade em 1991. Do repertório, a primeira parte da sua actuação foi preenchida com 6 ou 7 temas da carreira a Solo, 2 dos quais eu não conhecia...
Após um breve intervalo a banda voltou e tocou o álbum "Misplaced Childhood" na integra. O publico acompanhou a maior parte dos coros e dos refrões com grande entusiasmo e alguma condescendência pela já notada perda de voz e por alguns imprevistos e falhas na produção do espectaculo (Microfone falhou 2 vezes e alguém deve ter desligado a ficha errada a determinada altura o que cortou por completo o som).
No total foi positivo, penso que a Patita também gostou (ou pelo menos não pareceu incomodada com os meu pulos, as introspecções de guitarra electrica invisivel e os breaks de bateria batidos a dedo indicador no ar e nas costas da cadeira à minha frente).
Nos encores (2) a sala toda ficou de pé e eu perdi a vergonha e fui para beira do palco com alguns Marillionados que conheci no Concerto de Marillion em Madrid em 2004 (nota mental para fazer um post sobre este pessoal, gente fixe mas com um certo caracter heremético e pseudo-elitista que pouco tem a ver comigo ou com outras comunidades de Fãs de Marillion onde estou inserido).
O ponto alto foi o Fish olhar para a minha T-shirt de Marillion (que não era a única da t-shirt na sala da sua ex-banda, mas era diferente das outras todas pela originalidade), apontar para mim, abaixar-se e dizer-me (longe do microfone) "- that's no good!" ...e depois fez um sorrizinho debelóide e ameaçou cuspir!!!
-Paneleiro, se fosse mas é p'rá puta que o pariu. O cabrão havia de me ter cuspido que levava logo uma langônha verdinha e fumegante num olho, ou se eu me passasse a sério não faltaria muito para lhe espetar um sêlo na tromba (bom, isso talvez não que o gajo é muit'a grande). Passados uns instantes o gajo voltou à minha beira e estendeu-me a mão em género de fazer as pazes, mas como eu estava distraido com o guitarrista nem dei conta e a coisa passou como se eu o estivesse a ignorar. Ainda me fartei de rir com aquele protagonismo inesperado.
Nota final, gostei muito e valeu a pena.
Em Abril aparentemente os Marillion - Os verdadeiros Marillion - vêm a Portugal, lá estarei, com a minha t-shirt!

1 passageiros clandestinos:

Blogger Miguel chamou a hospedeira e disse:

Então a não ser aquele episodio final, correu muito bem!?

Depois não te esqueças de enviar a foto da tshirt para o meu Blog "A Minha Tshirt" ...!

Uma boa semana!
Um abraço da Matilde e Cª!

10:58 AM  

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit