quinta-feira, agosto 21, 2008

Pérolas a porcos

"38"

Despertar do amanhecer e do vento
Traz a força do sentimento.
Das desventuras destrutivas
Faço aventuras construtivas,

Um novo olhar, um sorriso
Nova vontade de viver,
Vida nova e mais juízo
Um cruzado a combater.

Quero despertar novos destinos.
Longe a tristeza torcionária
em que me ví, prisão assim…

Fugir dos maus caminhos.
Longe a amargura solitária
dor que faz parte de mim…
_

Ao sabor do silêncio violento,
Soltar o cabelo e a mente,
Para que a vida me tente
A não correr contra o vento.

Lutar por mim, lutar por tudo
Que a vida queira que sim.
Leão que sobrevive e contudo
Me ajuda a viver assim.

No espaço enfim encontrado
O passado sempre escondido,
Recuperar o tempo perdido…

No coração despedaçado
A vontade de avançar,
Fazer tudo por ganhar!
_

Marco um ferro no orgulho
Entro na vida de mergulho
O amanhã passo a olhar
Sem ter medo de chorar.

Um saber de vida feito,
De experiência acumulada
Numa vida tão sem jeito
Até agora malfadada.

Vida feita a descobrir
Que a tudo acho graça
Mas que só vem distrair…

38 Verões a sorrir,
Mas cada ano que passa,
Só serve p’ra confundir…

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit