sexta-feira, agosto 15, 2008

Os cães ladram, e a banda continua a tocar!

Que pontaria a minha: Mal saí da aldeia em direcção à Vila (14Kms) adivinhei que ia encontrar uma rede wi-fi aberta para não ter que ir a Vila Real (40Kms) ao net café onde costumava ir numa altura em que vinha para estes lados com muito mais frequência e ainda animava outro blog.
Quem diria, depois das trapalhadas do INEM/Bombeiros, do SAP fechado e do Padre sequestrado, o progresso chega finalmente a Alijó! Rede wi-fi aberta e no meu café preferido:
(Café da Paz - desde 1945).
Ontem passei metade do dia entre Lisboa e Trás-os Montes a ler sinais de prevenção rodoviária onde se lê "se conduzir não beba", e a outra metade do dia a pensar que não devia ir conduzir depois de ter bebido tanto. (Sim, um contratempo obrigou-me a só sair de manhã e não na noite anterior conforme planeado/anunciado).
Um Casamento, um Baptizado (adivinhei!), o meu aniversário e a festa da Vila, tudo no mesmo dia! Loucura, quase que já passava da meia-noite quando fui para casa (por acaso depois de chegar de 400 Kms de estradas assassinas e de levar com a Igreja e com o copo-de água ía mesmo enfiar-me num concerto de Finger Tips e depois num baile de arraial... desculpem lá sobrinhas, já sabem que é assim que funciona, eu vou para casa, vai tudo para casa, é a única condição de sairem comigo, sendo que a opção é ficarem em casa...). Adiante.
O cão do vizinho (que é primo, o vizinho, não o cão!) livrou-se de eu lhe atirar com um sapato porque lá se calou... Adormeci a ler a surpreendentemente agradavel e bem escrita dedicatória de um livro que me ofereceram. - Obrigado!
Dormi como uma pedra, como sempre, mas de manhã levei com a banda de não-sei-onde a tocar a alvorada... Mesmo assim eram 08:19h quando me levantei cheio de pica para ir arranjar e reparar aquelas pequenas coisas na casa da minha Mãe que a fazem sempre dizer que precisava que eu cá passasse uma temporada. Mas passou-me depressa a vontade ao olhar pela janela e ver alguém que a essa hora já estava a regressar do campo com um sacho (enchada) ao ombro e ar de quem se fartou de cavar qualquer coisa (acho que está na altura da Batata).
Mesmo assim, apesar de ser Feriado, sei onde encontrar uma fechadura, um vidraceiro, uma loja de ferragens onde o dono mora por cima e não se importa de abrir a loja para me vender 200grs de pregos de ripa, enfim, vantagens de estar a "jogar em casa".
Missão cumprida e heis-me no café da Paz com uma bica, um copo-de-água e um moscatel de Favaios... Moscatel com sabor a mel!
Aqui há uns anos não estaria aqui de laptop aberto (nota mental para não me esquecer de tratar da prestação deste mês assim que chegar a Lisboa) sem sentir que as pessoas me observam como burros a olhar para um palácio, mas hoje, talvez devido a toda a comoção da festa da Vila, consigo passar despercebido.
...e como me esqueci de carregar a bateria do PC, acabei por não escrever nada do que queria.

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit