sexta-feira, dezembro 14, 2007

El Matador – A estocada final

Não me apercebi da turbulência... O hábito faz o monge, pelo que assim que me sentei adormeci instantaneamente e nem dei conta que ainda antes da descolagem alguma hospedeira me apertou o cinto de segurança sem me acordar. Dormi 4 horas até acordar com a travagem do avião na pista.
Depois de passar pelo controlo de passaportes, recuperar a minha bagagem e sair para o terminal de chegadas procurei pelo meu nome nos inumeros placards que inumeros motoristas de taxi, de limousines e de empresas empunhavam com cara de quem procura quem não conhece. Calhou-me um taxista barrigudo e bem vestido, um taxi velho e batido mas limpo e com música ambiente.
Ao chegar às instalações do cliente não tive comitiva de recepção, não tive vénias nem uma refrescante bebida para apaziguar o fogo que tinha trazido no estômago.
Encaminharam-me imediatamente para uma sala onde antes mesmo de ter tempo para tirar os papeis da pasta um homem de fato claro e sem gravata entrou, cumprimentou-me com um aperto de mão firme e convidou-me a sentar. O seu Inglês falado pareceu-me minimamente perfeito. Correspondi com o meu melhor sotaque britânico. Após uns breves momentos de cordialidade a indagar sobre a minha viagem ele foi directo ao assunto:
“Os novos preços estão bem, o produto agradou e o interesse em compra-lo mantém-se...”
Com esta frase passou a bola para o meu lado. Ao fim de vários meses de namoro e negociações ao centimo, uma noção que ambos tinhamos, tinha que lhe dar naquele momento a estocada final, senti-o e ele de certa forma aguarda essa estocada..
Consultei as minhas notas manuscritas na diagonal e após 5 segundos de silêncio levantei os olhos do papel, encarei-o e atirei para o ar:
“Eu só lhe vou vender este produto desta vez Sr. Matvev”
...Fiz uma pausa...
“Daqui para a frente o Senhor é que mo vai querer comprar”.
A reunião durou apenas mais 10 minutos.
No caminho de regresso ao aeroporto arrependi-me de não ter feito as reservas com tempo para ficar uma noite na cidade... mas essa vontade desapareceu ao ligar para Portugal e dar luz verde à produção para avançar com o enchimento: 1 contentor de encomenda piloto a entregar em 3 semanas, pagamento a pronto contra entrega.
Dormi a viagem toda de regresso a Lisboa.

1 passageiros clandestinos:

Blogger Smootha chamou a hospedeira e disse:

:) É preciso é saber vender... Boa jogada.

3:31 AM  

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit