terça-feira, outubro 30, 2007

I had a dream...

Hoje acordei a lembrar-me perfeitamente do sonho que estava a ter no momento em que acordei... Fui capaz de contar o meu sonho como se fosse uma história verdadeira, como tantas "histórias verdadeiras" que ouvi contar no acordar de sonhos de outras pessoas.
Não sei se preferia não ter sonhado, ou simplesmente não ter contado o meu sonho... Mas a verdade é que o meu sonho acabou naquele momento, e era só um sonho (sobre uma viagem qualquer, cheia de personagens caricatos e situações que só acontecem nos sonhos, já não me lembro dos pormenores...). É preciso acrescentar que eu não costumo sonhar, é raro, e quando sonho, nunca me lembro do que sonhei. Infelizmente lembro-me de todos os pesadelos, que são raros, muito raros, mas lembro-me de todos!
Costuma-se saber sempre o que não se quer, porque é mais fácil do que decidir o que se quer. É parecido com o não fazer ao outros o que não se gosta que se faça a si, que é mais fácil do que fazer aos outros o que gostamos que nos seja feito. Assim, "Dar e receber" é diferente de "dar para receber", definitivamente!
Ocorre-me uma passagem de uma música:
"(...)
and you list all the qualities that you despise
and you realize
you're describing yourself
and breaking someone over the side
is your only source
of pride
(...)"

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit