sexta-feira, outubro 13, 2006

Silêncio Violento

Às vezes simplesmente fico calado. Aprendi a ficar calado, a não exteriorizar comentários inflamatórios. Fico calado como quem diz que mêto "para dentro". Às vezes a vontade de gritar "-Basta!" é tão grande que me calo para não perder a voz.
Há vezes em que não falo, reservo-me no silêncio violento... Outras vezes digo tudo o que tenho para dizer, mas sei que ninguém me vai perceber!

Fiz outra viagem de mota
sem mapa e sempre a andar
Desta vez mudei a rota
mas acabei no mesmo lugar

Refugiei-me no silêncio violento
no barulho da música a respirar
Gostava de gritar ao vento
até a minha voz sangrar

Escrevo a vermelho sem côr
como se a tinta fosse vinho
e escreveria a minha dor
nem que estivesse no Minho

Mas por mais que escreva palavras
como se pintasse uma tela
escrevo sempre por duas lavras
que arde dos dois lados a vela

...e olho para dentro de mim
a batalhar sem ter canhão
e digo a tudo que sim
quando devia dizer não

Tenho mil poemas para escrever
ideias que me correm na mente
mas a caneta é sangue a escorrer
são mágoas que a alma sente

Então aumento o volume do som
rebento os timpanos com memórias
as cores da vida perdem o tom
e revivo as mesmas histórias

Não me consigo libertar
da tal prisão em mim
já nem consigo gritar
só digo a tudo que sim

Se escrevo tenho esperança
há algo em mim que insiste
é um canivete, não é uma lança
mas ainda tenta e resiste

Se a escrita não libertar
talvez me possa ajudar
a esquecer-me deste lugar
de onde não consigo escapar

Só eu sei o que estou a sentir
trago o mundo nos meus ombros
mas mesmo num mundo de escombros
Eu nunca hei de fugir

Por isso continuo a escrever
pendurado na canêta
que é arma para defender
sem balas nem baioneta

Calado vou andando em frente
no silêncio que abafa a dor
mas dentro da minha mente
está um barulho ensurdecedor

(Escrito a 14 de Agosto de 2006)

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit