segunda-feira, fevereiro 21, 2005

3, 2, 1... nada!

A inspiração esvai-se
Mas a vontade fica
Ferida aberta que não sara

Grito e fico rouco
Grito o meu nome de louco

Sou vítima de quem fui

Nada!

Mas forço-me a escrever
E esforço-me em sentir
Reforço-me de prazer

A inspiração vem-se
Masturbação de emoções

Espasmos e orgasmos

Nada!

Desejo o que sinto
E sinto no desejo
Tudo aquilo que vejo

Invisto no momento
Que me traga alento

A inspiração sou eu

Nada!

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit