sábado, dezembro 25, 2004

Longe da Lapónia

O dia está frio e humido, senti o ar a trazer-me a cheiro da maresia e o vento a levantar-me as golas do sobretudo. Na Marginal os carros a passam numa azafama de acelarações e travagens como se a hora de ponta de um dia de semana tivesse sido trazida até hoje, dia feriado.

Fui ver o Mar mais uma vez, um cigarro meditado, um olhar perdido no horizonte, uma memória sobrecarregada, enfim, uma cena que se repete vezes sem conta neste filme onde eu sou o protagonista e o Mar é o cenário...

Lembrei-me de muitas coisas, de Natais passados, de prendas que dei e recebi, de pessoas que nunca mais vi, de pessoas que nunca mais quero ver, e de pessoas que nunca vi mas que gostava de conhecer...

Lembrei-me sobretudo que há pessoas no mundo que têm a propriedade fantastica de fazerem vir à superficie o melhor que há em mim.

Sinto falta de encontrar alguém assim outra vez.



Feliz Natal para todos.



F

.



0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit