domingo, novembro 28, 2004

A chuva não podia ter caido em melhor altura.

Que calmaria de dia, um domingo, um rasgo de mar bravo, um café e um jornal levado pelo vento... a chuva voltou...

Mota na Garagem, carro na revisão, domingo em casa, leitura em dia!

A ultima semana foi de arromba, acima a baixo entre Lisboa, Rio Maior, Viseu, Porto e Estoril... (Que bem que soube ter espetado já com 50.000Kms num carro de Março deste ano). De um Jantar de Gala em Palmela para receber um prémio em nome da empresa (isto é, calçar a bota que alguém descalçou) sobrou uma Amiga nova, para já a "preto & Branco", poderá vir a adquirir um tom "colorido" brevemente.

Paralelamente, as actividades extra-curriculares deram um salto (ver post abaixo), encerra-se um ciclo (enfim, já estava encerrado mesmo, agora está resolvido de vez)... descobre-se uma paz na alma que nos leva ao sétimo céu e...

Abrem-se as hostilidades de novo. Desta vez não fui eu que provoquei...

A teoria das ondas artesianas não falha, ontem em baixo, hoje em cima!

Serviu para eu constatar que o facto de usar fato & gravata todos os dias não apaga quem eu sou... Um puto da rua, crescido e formado na rua, um arruaceiro!

É bom saber-se quem se é.

Faz-me lembrar o filme "Unbreakable", onde o "Super-Vilão" se descobre a si mesmo ao ajudar o "Super-heroi" a descobrir-se a ele próprio.

Uma vez arruaceiro, arruaceiro para sempre.

"Venham eles" digo eu no meu delirio, venham-me dar novas aventuras, historias para contar, para acrescentar a 34 verões de sabedoria...

Mas eles não vêm, não existem sequer a não ser na mente detorpada de quem insiste em me provocar...

...e resolvo mais uma vez a situação, com a diplomacia necessária, sem exageros, sem emoções, com um click no rato, um sms, uma resposta, uma frase simples:



"Quero mais é que te fodas"



Não posso deixar de pensar que tudo não passou de um mal entendido, um mal resolvido, uma cicatriz mal curada na alma de outra pessoa...

Uma cicatriz empaticamente tão parecida com a minha. Poderá ter sido esse o catalizador que nos aproximou? Caguei para isso, enganei-me de arvore eu também...

Não posso deixar de fazer um esforço para focalizar nas minhas intenções originais... para não me esquecer de quem escolhi ser, no que me tornei e quanto me custou aqui chegar... e por isso me chamo "The Invisible Man" (nunca as palavras alheias fizeram tanto sentido na minha vida), por isso desenvolvi o conceito de "Interferência Sensitiva", e cada vez mais me apercebo que faço parte do "sexo fraco" (nota mental para escrever um post sobre este assunto).

A minha pizza está quase a chegar, o DVD está à espera e depois a noite, a calma da noite, a chuva a cair...



A chuva não podia ter caido em melhor altura.

.

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit