sábado, abril 21, 2012

In dubio pro reo

Acho que sou daquelas pessoas que teve uma infância enriquecida por muitas e diversas vivências. Posso até dizer que me lembro de muitos dos episódios, mais ou menos marcantes, da minha infância… Contudo, segundo parece e a psicologia confirma, a memória de criança esvai-se conforme os anos vão passando, como se o cérebro fizesse uma gestão de espaço de memória ao acomodar as memórias mais recentes, relegando as mais antigas para o lado intangível da mente, ou algo assim… De facto, há muitos momentos da minha infância que eu sei que vivi, mas de que já não me lembro muito bem, não mais do que fazer uma construção mental dos mesmos apenas por ter conhecimento que esses momentos existiram, mas sem realmente ter memória dos mesmos. Talvez o ponto fulcral da importância de alguns desses momentos esteja tão-somente na intensidade que tiveram, e consequentemente na repercussão que essa intensidade transportou para a minha vida futura, e é esse fenómeno que me mantém por ventura a memória viva. Assim de repente, para o efeito do que quero escrever, um conjunto de episódios de que me lembro particularmente bem foi de aprender a jogar Xadrez com o meu Pai, tinha para aí os meus 7 ou 8 anos, na mesa da sala, depois de fazer os trabalhos de casa e de jantar, naquele período de tempo que sempre me pareceu tortuosamente breve, entre o momento de ver o “chico-escuro” na RTP a preto-e-branco (O equivalente ao “Vitinho”, a cores, para quem nasceu nos anos 80) e o momento em que a minha Mãe começava a refilar com o meu Pai por ser hora de eu ir para a cama. Desses breves momentos a aprender a jogar Xadrez - não sei se o meu Pai alguma vez se apercebeu disto – para além de ter aprendido a jogar razoavelmente bem, sobraram-me sobretudo valiosas lições, ferramentas que trago na bagagem, como se jogar Xadrez fosse um treino complementar, uma espécie de lições para lidar com a vida. Dessa forma, por aplicação dos mesmos processos mentais que ocorrem ao desenvolver estratégias de jogo de Xadrez, extrapolei para o processo de desenvolvimento de mecanismos idênticos para interagir convenientemente com pessoas, e com instituições, e da mesma forma ser capaz de planear e antecipar, estar preparado, avaliar património e activos incorpóreos (os próprios e sobretudo os do adversário), não subestimar nem sobrevalorizar, saber defender, mas também atacar, se necessário for, e espetar a faca no soft spot, congeminar, conjecturar, concluir, analisar, e cercar, persistir, não desistir, saber sacrificar, escolher, optar, experimentar, ponderar, e decidir, enfim, com mais ou menos experiência, com melhores ou piores resultados, avançar em frente, saber ganhar com nobreza e elegância, e também saber perder, e nesse caso fazê-lo com dignidade.
Muitos anos passaram, muitos episódios, muitos jogos de Xadrez, o meu Pai já morreu há mais de 20 anos, enfim, muita água passou por baixo da ponte, e as lições do Xadrez mantiveram-se, como um farol na escuridão, em todas as suas formas. Porque a lição principal é que a água passa, mas a ponte persiste.
Recentemente (ou nem, por isso), fruto de uma contingência da vida - situação a que tenho aludido subliminarmente nas palavras que aqui tenho escrito no último ano - vi-me envolvido num relativamente complicado tabuleiro de Xadrez que fui forçado jogar, e embora nunca tenha feito disso segredo, a tal parte de ganhar com elegância obrigou-me a ser discreto, enfim, discreto q.b., até porque não foi nada que no seu decorrer tivesse merecido mais do que breves alusões que escrevi aqui, ou ali, ou acoli, ou acolá ...e chamar-lhe “tabuleiro de Xadrez” é a mãe de todas as metáforas… Acho que é porque também fui praticante de boxe durante vários anos (tive de facto uma infância e uma adolescência muito ricas e variadas) que consegui encaixar todos os murros no estômago sem explodir, sem me tornar selvagem, consegui desferir os golpes necessários para manter equilibrado o painel de pontuação, e manter a distância segura, mais do que para me proteger, para proteger os outros, protege-los de mim, ah pois é! Manter firme a velha história de não perder de vista a minha integridade moral, mesmo quando quem me rodeia nem sabe sequer o que isso quer dizer... Fazê-lo contudo ao mesmo tempo que travava uma batalha muito maior: Uma batalha com a minha consciência, uma batalha que perdi, porque contrariando as minhas mais profundas convicções, vi-me obrigado a atacar apenas para me conseguir defender.
-Filhos da puta por me forçarem a esta posição!
É justamente aqui que entra a herança do Xadrez. Começa na visão periférica essencial para conseguir combater simultaneamente em várias frentes, depois passa pelo desprendimento necessário a uma avaliação séria de riscos, e vai culminar no imperativo de tomar a iniciativa matematicamente mais equilibrada, mesmo que isso implique um certo custo pessoal… Pois, eu não travo só uma batalha de cada vez, não sei o que é viver fechado numa zona de conforto, estar preso a ilusões ou viver constrangido por falso medos – não, eu sou natural, sempre fui, igual a mim mesmo, genuíno, ciente das minhas fragilidades para potenciar as minhas forças, magnânimo, ou nem sempre – admito-o, sou sobretudo realista, sem ser grave nem agudo, mantenho-me objectivo, e se conseguir, tento ter uma visão optimista da vida.
Assim, essa tal história recente (estará a fazer 1 ano por agora, time flyes when you’re having fun) ficou resolvida, ou pelo menos a parte importante… Empate técnico, vitória pírrica, whatever, viva o desporto. Ficou resolvido, um bocado ao pontapé, mas resolvido...
…e já posso permitir-me falar disso a meu bel-prazer.
Corria o início de mês de Setembro de 2011. Sentado numa esplanada contemplava um Verão de extremos emocionais, entre assistir aos espetáculos do estrogénio libidinoso e da testosterona juvenil masturbada em corpo alheio pela calada de noites de ilusão passadas fora de casa, e às luxurias a que deram lugar por oposição dentro casa… Ora, ora… A esplanada, perdida no fundo de um parque urbano tinha-se tornado, no rescaldo, no meu refugio de fim de tarde, que a luxuria nem sempre chama por mim. Esse Verão foi um período, lembro-me, fértil em exercícios de paciência mental e em erguer de colossais muralhas emocionais… a minha separação da Trapalhícia estava cada vez mais consolidada e legitimada de parte-a-parte. “Já naveguei antes nestas águas” dizia-me a mim próprio com a mesma frequência com que os fait-divers atiçavam os meus instintos de retaliação e me empurravam a descer ainda mais degraus do que nos 2 anos anteriores… Mas não, tudo controlado, é verdade que tive um momento de explosão, mesmo que inócuo, porque quando o ultraje ultrapassa todos os limites, o Homem torna-se num animal… um momento de explosão verbal, e chegou-me para colocar a mão na consciência. Aprende-se a controlar os fígados quando a perspectiva da dor e do sangue dos outros nos começa a toldar a visão… Sobretudo tratando-se de alguém de quem se gosta, e que se aprecia, e o carinho nunca pode dar lugar ao sentimento de pena, apenas dá lugar ao apego emocional da compaixão (não me peçam para explicar a diferença).
Bom, e porque “o que um não quer dois não fazem” não é só uma frase gira que eu digo, mas é algo em que acredito e que sei que corta para os dois lados, a relação estava terminada, e se eu agora fosse escrever sobre esta matéria e relatar todas as desocorrências e as suas arrastadas interferências que conduziram a essa separação… ficava aqui a tarde toda, e a tinta ia fazer-se de fel, e a meio da história sei que não conseguiria travar o que travei muito tempo, e ia seguramente arrancar na minha mota estrada fora até chegar ali aos arredores da Capital, fazer uma espera, cobrar juros… história tantas vezes repetida… Não, nada disso, não o fiz durante mais de 2 anos, não o fiz no último ano, não o vou fazer, ainda não… O gozo não está no sucedâneo do efémero, o gozo não está em dar xeque, o gozo está no construir da jogada, está em premeditar… Happyness is not at the end of the road, happyness is the road!
Eu gosto de servir pratos frios!
Adiante. Setembro então. Tirando um ou outro dissabor de exposição a leviandade alheia, a minha perspectiva de futuro voltava a conseguir desenhar-se como um imperativo a disfarçar o tempo perdido (ie; investido, que é para não estar a cuspir para o ar)… Restava apenas esperar pelo dissipar de alguns aspectos práticos ligados à passagem do calendário, e tudo se resolveria – com um desfecho oposto ao que se veio a produzir – sabia-o, porque eu só tenho uma palavra, e quem não sabe isto depois de morar e conviver mais de 2 anos comigo, ou é burro, ou é provinciano, ou as duas coisas! - O fim de Setembro estava à porta, parvalhões, sim, no plural, porque há trapalhadas que só mesmo com várias pessoas a contribuir é que chegam ao descalabro da idiotice.
Enfim, nesse dia o Verão tardio trazia o calor do dia até ao início da noite, e bastava-me o meu Note Book, uns headphones e um café para intervalar entre o martelar do teclado e os cigarros tossidos à porta do ginásio (pois, ao fim de mais de 2 anos recomeçara a fumar, em Agosto)… Sentado então na esplanada do jardim, o nome que apareceu no visor do telemóvel pousado em modo de vibrar na mesa surpreendeu-me, pela positiva (És tão tenrinho, Francisco) e alegrou-me a ponto de aceder ao convite para ir conversar sobre não-sei-o-quê que nem percebi o que pudesse ser de tão importante. Contudo, a negociação do local, neutro que fosse, foi caprichosa demais – já estava desabituado desses caprichos – o que combinado com o histórico recente fez com que algo em mim suspeitasse de mais uma manobra matreira, vindo de onde vinha… Mas ainda me surpreendia, ou nem por isso. Tenrinho mas não tanto, e caiu-me a moeda, apercebi-me imediatamente do que me esperava. Vesti o modo guerreiro como quem carrega uma cruz e dirigi-me ao local combinado, e o que me foi proposto surgiu em formato mesclado de ultimato com ameaça e chantagem (aqui entra a parte onde os detalhes não trazem valor acrescentado à história, não abonam nem a meu favor nem abonam a favor da protagonista, e por isso, , porque a frase do polícia à porta da esquadra nessa mesma noite diz tudo o que há para dizer sobre esta matéria). Ouvi então aquela elaborada explicação, meio em alerta e meio pasmado, com um cigarro numa mão e uma Macieira na outra… Atónito, não descreve bem a minha reacção, sereno é o mais parecido, e disse apenas uma frase para registo: “-Isso é uma declaração de guerra”, e com pouco mais do que isto dito a conversa terminou e eu, em estado de alerta, deixei-me guiar pelo sangue frio arruaceiro e pelo natural calculismo de… jogador de Xadrez, e um plano desenhou-se, em piloto automático, não um plano de ataque, mas de retaliação defensiva, controlar danos para mim e - pasme-se – controlar danos que viessem a resultar para ela (não sei ser inconsequente).
Nesse mesmo momento, na minha cabeça, celebrei uma inesperada primeira vitória pessoal: Não me tornei selvagem à imagem do meu agressor (por falta de palavra melhor), nem falso, e muito menos cobarde como quem lhe puxa os cordelinhos, ou sem espinha dorsal como quem atraiçoa a confiança e depois ladra de longe... Enfim, condescende-se. É certo que já me tinha vingado por antecipação (não sei se alguma vez vou contar isto a alguém). Mas aquilo era demais, uma agressão gratuita e traiçoeira, e sobretudo desnecessária, um actus bellum sem qualquer sentido ou provocação que o justificasse. As pessoas vivem presas a medos invisíveis, já o disse antes… Lembro-me que tive um sentimento de pena que não compreendi porque o estava a sentir, mas também passou-me depressa… Afinal, a paz que conquistara à beira Tejo, em Agosto – a custo de um grande vinco no orgulho - explodiu-me na cara. Não pedi para jogar aquele jogo, não queria joga-lo… Desprovido de peões, sem confiança nos bispos, com os cavalos cansados e as torres a desmoronar… de qualquer forma já há muitos meses que jogava sem Rainha, muito tempo com os olhos tapados… Restava-me o Rei, que só anda uma casa de cada vez, mas é a peça mais importante do tabuleiro, à minha frente, à minha volta, em mim… não tive escolha senão jogar, com várias frentes de batalha - A fonte de interferência já estava longe, batalha adiada. Concentrei-me no imperativo do imediato, nos peões, em dar umas lições de civismo e humanidade. Depois da conversa, nessa noite, li o Código de Processo Civil de ponta a ponta (passados uns dias li também algumas passagens pertinentes do Código de Processo Penal). Ia ter que entrar naquela guerra sozinho, nada de novo… Contactei um advogado de minha confiança, em Lisboa, que me apontou algumas soluções… Mas não era uma solução que eu queria, aquilo já não tinha solução e eu fui atacado, o meu nome enxovalhado, caluniado e falsamente acusado (como é que se perdoa uma coisa destas? Talvez equilibrando a pontuação…)
Lição Nº 1: Nunca substimar alguém que já não tem nada a perder.
Impunha-se uma forma de retaliação. Compus a Procuração Forense que conferia direitos de representação legal ao meu Advogado, assinei-a e dei-lhe despacho, mas ficou claro que a estratégia seria eu a delinear em troca de uma avença mensal, mais despesas. Eram 6h da manhã quando lhe liguei com a estratégia. Agora era gerir o tempo para enquadrar as manobras nos prazos legais. Durante a semana que se seguiu - porque conheço a pessoa - a sua vergonha fez com que eu passasse a ter a casa só para mim. Vesti o modo de falsidade (quando se convive tempo suficiente com as pessoas começa-se a saber adoptar os seus próprios comportamentos), tudo na boa, paz aparente, fazer ar de tótó… até à data combinada.
Uma Providência Cautelar, caríssima que tenha sido, serviu para lhe(s) abrir a pestana, qu’isto não é pôr e dispor ao sabor das modas e das vontades descomprometidas, não é chegar atar e pôr ao fumeiro, usar as pessoas e depois empurra-las para baixo quando já estão de joelhos, isso não se faz, eu não o faço a ninguém, não mo façam a mim, é natural que eu reaja.
Lição Nº 2: Para quem liga mais a dinheiro que às pessoas, é inflacionar-lhe o preço da paz.
Passo seguinte, fazer render o peixe, negociações de assuntos pessoais delegadas em estranhos a troco (no meu caso) de muito mais dinheiro do que o resultado pudesse trazer… Que nunca foi esse o meu objectivo, e pensar-se isso de mim, ao fim de tanto tempo a fundir-se no meu corpo, mais do que a minha incontrolável tristeza, acaba por avivar o meu desprezo. O tempo foi passando, a espaços foi complicado gerir o trabalho com esta merda toda, marcar passo ou acelerar para gerir tempos e documentos e depoimentos e provas, fazer por não ficar para trás nem por avançar demais, manter apenas o score empatado… O meu Advogado acabou por me acusar de lhe esconder algumas provas e ameaçou despedir-me… - Pasme-se - o que eventualmente acabou por acontecer mais tarde, que ele não estava ali para perder. Pois, mas eu também não estava ali para ganhar, nada de tangível em todo o caso. Eventualmente, Too cut a long story short, lá se chegou a um consenso, permiti-o ao fim de 2 ou 3 meses, já não me estava a dar gozo torcer a faca. A coisa resolveu-se num Domingo pelo meio de berros e desconfianças e gente burra em minha casa, e muita condescendência da minha parte… e no próprio dia dei para caridade os cacarecos e mobílias que reclamei para mim. Empatei essa parte do jogo, e mantive a minha moral imaculada.
Lição Nº 3: A inconsequência e a leviandade pagam-se caras, e eu cobro!
Resolvida a parte de foro civil, restava a parte de foro penal. Mais séria, potencialmente mais prejudicial, para ambos os lados, mas mais fácil de manipular e conduzir, e de manter o score equilibrado também. Duma análise aos meus meses de Verão e ao ambiente doméstico com que me vi presenteado surge uma contra-queixa, substanciada. Para vítima falsa, vítima e meia, e para arguido falso, arguida e meia. Não fui eu que atirei a primeira pedra.
Lição Nº4: A lei de Talião não é um mito, é uma realidade. -Karma is a bitch!
Despedido pelo meu anterior Advogado, a minha nova Advogada, pessoa local da cidade onde moro, compreendeu perfeitamente as minhas intenções e a gestão que fiz das provas da queixa de modo a conduzir o processo a um desfecho equilibrado, e nitidamente concordou com a minha estratégia para neutralizar o ataque de que tinha sido vitima (Sim, vítima), deixou-me gerir as provas de forma a não provocar dano irreparável em quem eu sempre desejei o bem (insisto que foi uma batalha enorme com a minha consciência por ter noção que estava de algum modo condicionado a infligir o mal como forma de me defender). Conduzido o processo, e concluídos os autos, até podia ter sido eu a redigir a sentença, pois algumas passagens da mesma são perfeitos “copy/paste” de correspondências com jovem estagiário do Min. Pub. responsável pela redação do documento.

É que a expressão é minha: “in dubio pro reo”, you fuckin' idiots!

Xeque-mate

9 passageiros clandestinos:

Blogger Smootha chamou a hospedeira e disse:

Folgo em (finalmente) ler um bom "lavar de alma".
Beijos daqueles

2:04 AM  
Anonymous Kasparov :) chamou a hospedeira e disse:

quem consegue jogar assim com a vida deve ser um excelente jogador de xadrez. gostei do paralelo entre o tabuleiro e a vida. boas escritas piloto.

2:42 PM  
Blogger Izzie chamou a hospedeira e disse:

não sei nada da tua vida, mas leio aqui coisas que me são, como dizer, familiares. Há por aí uma descrição de um certo carácter que não me é estranha.
Percebo que passaste uma fase bem turbolente, e espero sinceramente que seja um capítulo encerrado. se é verdade que há coisas de tal forma graves que não merecem que nos fiquemos, também é certo que não se deve gastar com certas pessoas mais do que elas valem. A sério.

3:36 PM  
Anonymous Anônimo chamou a hospedeira e disse:

1 - O Karma paga-se, cá e com juros (cuts both ways)

2 - Ainda bem que já fechaste mais um capítulo. Deixa os restos para os abutres e segue em frente. Aproveita para deixares de fumar.

Beijo
AMC

3:53 PM  
Blogger Sa(ha)ra chamou a hospedeira e disse:

Xeque Mate...


Parabéns pela excelente deambulação por esse "tabuleiro de xadrez"...onde as metáforas super bem "encenadas", concederam a um tema gasto e aborrecido, um momento fantástico de leitura.

Um beijo
Sara

11:45 PM  
Anonymous XS chamou a hospedeira e disse:

F.:

Acabo de ler. Dassssse, que estavas entupido, rapaz!

What can I say? És um óptimo contador de histórias, já to tinha dito.

Agora vê se sacodes os vibes negativos e carrega na vida!

Beijos
XS

7:05 PM  
Anonymous XS chamou a hospedeira e disse:

Ah! E muda-me aquela imagem H-O-R-R-O-S-A que tens agora, que ia-me borrando toda!!!!!

7:07 PM  
Anonymous Anônimo chamou a hospedeira e disse:

Estiveste bem Paco

7:57 PM  
Blogger Piloto Automatico chamou a hospedeira e disse:

Smootha: A minha alma é cristalina, acho que TU sabes isso.

Kasparov: (Conhecemo-nos?) é de facto uma perfeita correlação entre os dois.

Izzie: Aprecio a familiaridade que reconheces nos certos caracteres a que eventualmente faço referência... o mundo é uma ervilha não é verdade?
De facto, há coisas que um gajo pura e simplesmente não pode deixar passar impune, outras que dados os intervenientes acabam por trazer um mau gosto na boca por saber que emporcalham o nosso discurso (to be continued though!)

Sara dos Desertos: "Um tema gasto e aborrecido", concordo, mas tive que o viver... Obrigado pela tua apreciação do que escrevo.

XS: Sacudi as bad vibes (excelente descrição, na mouche) há 1 ano atrás, mas elas estavam encrustradas, como lapas...
PS: Mudarei o header brevemente.

Anónimo: Alguma vez não estive?

11:34 AM  

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit