domingo, maio 03, 2009

Para que o sentimento perdure (Re-post)

Recentemente, num jantar de aniversário daqueles onde vários desconhecidos se sentam em redor de um conhecido comum, alguém ao meu lado comentou que os homens quando estão apaixonados "só fazem figuras tristres". Aquilo pareceu-me um total absurdo, sobretudo vindo de uma mulher, mas como até foi dito com alguma convicção não argumentei, limitei-me a fazer um aceno de cabeça à espera que a seguir viesse uma explicação que legitimasse uma afirmação daquelas, talvez alguns exemplos, ou o caso de alguém conhecido... Mas não, a conversa evoluiu noutro sentido.
Mais tarde dei comigo a pensar sobre isso e invariavelmente a fazer uma retrospectiva introspectiva. Inicialmente tive alguma dificuldade em me lembrar de vezes em que tivesse estado apaixonado... Lembrei-me de 1001 situações em que houve mulheres se cruzaram comigo na vida e que me inspiraram tamanho desejo sexual por elas que até fiquei... alterado!
Mas daí a ter estado apaixonado...?!
Se pouco me lembro disso, se já não o sinto, e até o digo no tempo passado do verbo; Então é porque algo correu mal, e isso fez com que o sentimento (fosse lá qual fosse) tenha deixado de existir, e sendo assim possivelmente nunca chegou de facto a existir, não nesses termos, terá sido uma ilusão, um desejo que assim fosse, mas sem chegar a ter sido. Porque se assim tivesse sido então teria corrido tudo bem.
Continuei a pensar e conclui que é mais preocupante o facto de que algo de errado tenha acontecido dessas vezes (fazendo com que o "sentimento" desaparecesse) do que definir que sentimento propriamente dito era esse.
Quanto a um homem apaixonado "só fazer figuras tristes", isso não pode ser regra, não tem nexo nenhum, pelo contrário, um homem apaixonado é um homem feliz que faz coisas excepcionais, que se supera a sí próprio, que anda motivado, que se torna invencivel, que brilha!
Pensando bem eu gosto quando estou apaixonado, tenho plena consciência que isso me torna numa pessoa melhor!
Assim, caso o comentário que eu ouvi nesse jantar não tenha sido uma indirecta para mim (mas isso já é outra conversa), das duas uma: Ou quem fez esse comentário dá mais importancia aos formatos do que aos conteudos, ou nunca ninguém esteve verdadeiramente apaixonado por ela!
(De qualquer forma fiz uma nota mental para me lembrar de evitar que algo corra mal da proxima vez que me sentir apaixonado...)

Texto publicado originalmente a 13 de Setembro de 2004

12 passageiros clandestinos:

Blogger XS chamou a hospedeira e disse:

Não concordo com a tua amiga. A paixão é capaz de feitos excepcionais, não haja dúvida. E isso nunca pode ser mau.

Beijinhos :)

11:50 AM  
Blogger mac chamou a hospedeira e disse:

A melhor parte de estarmos apaixonados é sentir o coração bater mais rápido, e fazer figuras que os outros consideram tristes. Acho que a tua amiga nunca esteve apaixonada.
Gostei do teu blog.

3:49 PM  
Blogger nina chamou a hospedeira e disse:

Pode ser até que quem esteja apaixonado faça "figuras tristes" (aos olhos dos outros), no entanto essa tristes figuras são as melhores que levamos ao longo da vida. Quem nunca as fez (o que duvido!) é porque nunca amou.

4:01 AM  
Blogger nina chamou a hospedeira e disse:

Genial a imagem. Adorava os Estrumpfes e... a Estrumpfina.
Fiquei ENCANTADAAA ;)
Beijos

9:51 AM  
Blogger Smootha chamou a hospedeira e disse:

"Então é porque algo correu mal, e isso fez com que o sentimento (fosse lá qual fosse) tenha deixado de existir, e sendo assim possivelmente nunca chegou de facto a existir, não nesses termos, terá sido uma ilusão, um desejo que assim fosse, mas sem chegar a ter sido."
Isso faz-me pensar na quantidade de vezes que dizemos algo como "Nunca amei como te amo a ti". Acho mesmo que são frases a evitar. Quantas vezes já o dissemos, tudo acaba (inevitável ou não), e surge outro amor, outra paixão, o que lhe queiram chamar, e tornamos a dizê-lo.
Até que ponto amámos antes? Ou será que amamos agora? Amaremos no futuro?
Ou simplesmente nunca soubemos o que é de facto amar e apenas banalizámos as palavras, ou amamos vezes demais...
Bj

11:14 AM  
Anonymous Anônimo chamou a hospedeira e disse:

Ora bem,

Todas as pessoas têem direito a uma opinião e de certeza que será sempre fundamentada em alguma coisa, mesmo que errada ou mal entendida. Essas pérolas muitas vezes são lançadas por despeito,querendo a pessoa no fundo sofrer do mal :p

Penso que deverias ter esclarecido ali logo a questão uma vez que isso "das figuras tristes" pode ter muito que se lhe diga. Geralmente tem.

Pessoalmente acho que as pessoas apaixonadas fazem todo o tipo de figuras, geralmente deliciosas e surpreendentes. Tenho pena que esse estado nunca dure muito tempo,podia ser a solução para a durabilidades dos relacionamentos de hoje em dia

GDTDRT Dixit

4:02 PM  
Blogger Piloto Automatico chamou a hospedeira e disse:

Este comentário foi removido pelo autor.

5:04 PM  
Blogger Piloto Automatico chamou a hospedeira e disse:

XS e MAC: Apenas uma precisão, a cachopa em questão não é (nem mostrou ter gabarito para ser) minha amiga.
"...vários desconhecidos em redor de um conhecido comum..."

XS: Sim, a paixão é maravilhosa, nunca pode ser má desde que seja sã.

MAC: Pessoalmente nunca consegui identificar a melhor parte de estar apaixonado, tal é a avalange de efeitos que tomam conta de mim e das minhas reacções.
Benvinda ao VC, volta sempre.

Nina: Há pessoas que conseguem estar apaixonadas sem se exporem a fazer um papelão, mas isso depende sempre por quem se foram apaixonar.
Também gostava muito dos Estrumpfs, mas a determinada altura passei a achar que a Estrumpfina era uma galdéria manipuladora e que os Estrumpfs eram uns grandes tótós, e passei a ser fã do Gato Asrael.

Smootha: "..."nasce um novo dia, e no braço outra asa, e vem-nos à memória uma frase batida..."Um novo amor é sempre a abnegação do amor anterior, como uma fasquia que se eleva perpétuamente, e apenas nesta medida é o amor quantificavel. Sim, há frases que são puros lugares comuns, mas que fazem parte, que se querem dizer e se gosta de ouvir.
As perguntas que fazes no fim eram rectóricas certo? lol

GDTDRT ;) : No caso concreto a minha presunção e o meu estado emocional na altura levaram-me a considerar que podia ser uma indirecta para mim. Não vesti a carapuça mas fiquei à espera da explicação, que não veio, a pérola caiu mal numa mesa onde a maioria das pessoas sabe efectivamente o que é "sofrer do mal".
Se me permites a observação à tua última frase, essa solução nunca funcionaria na premissa de se "cobrar" da outra pessoa que perpetuasse a Paixão sem se estar predisposto para a perpetuar também. Mas percebi perfeitamente o que disseste, sobretudo a parte do "hoje em dia" (ver post acima).

5:06 PM  
Blogger Patrícia chamou a hospedeira e disse:

Só alguém que se estivesse a sentir infeliz, só e de coração magoado poderia sair-se com essa barbaridade. Digo eu. As pessoas apaixonadas (e correspondidas) irradiam alegria, contagiam tudo e todos os que delas gostarem. Criam é muitas invejas. Eu assumo a minha inveja, embora seja daquelas inofensivas. :)

12:37 AM  
Blogger Piloto Automatico chamou a hospedeira e disse:

e como tens razão Patrícia, de facto a palavra chave que faltou foi a "correspondência", e é nessa medida que as pessoas apaixonadas, homens ou mulheres, se elevam invariavelmente à condição de felicidade.
As invejas, ui... por vezes derivam apenas do desejo de quem as sente, de querer sentir-se apixonado/a também.
Benvinda ao VC

3:28 AM  
Blogger Patrícia chamou a hospedeira e disse:

Precisamente... e essas invejinhas são compreensíveis e não fazem mal a ninguém, certo? Não vêm carregadas de veneno. Eheheh... My case exactly. ;)

Obrigada pelas boas-vindas. :) Se quiseres entrar "lá em casa" (no Inside The Fire", avisa.

Bom fim-de-semana!

1:09 PM  
Anonymous Anônimo chamou a hospedeira e disse:

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

11:35 PM  

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit