domingo, maio 22, 2005

Neto "Xis"

Não conheci nenhum dos meus Avôs, ambos morreram muito antes de eu nascer... A Avó materna também morreu antes de eu nascer mas a Avó paterna (que nasceu no seculo XIX) ainda era viva quando eu nasci, lembro-me vagamente de uma senhora magrinha e de cabelos de neve que vestia um negro elegante e nobre.
Lembro-me de ter 3 ou 4 anos e de ela me sentar na cama dela e me dar caramelos e rebuçados uns atrás dos outros para me manter calado (aparentemente era um puto tagarela).
Lembro-me de ir com ela à missa à Igreja de Sto António no Estoril e de ela me deixar brincar na relva dos jardins do Casino, depois iamos sempre lanchar à pastelaria Garrett, eu comia um pastel de nata e 1/4 de Vigor enquanto ela beberricava um chá qualquer. Depois vinhamos a pé pelo paredão desde o Tamariz até S. João...
Lembro-me mal do funeral dela no ano em que eu fui para a Escola, lembro-me unicamente da palmada que a minha Mãe me deu no velório por eu me ter sujado todo num canteiro junto à capela funebre daquela Igreja que está ao fundo da Avenida da... Igreja, em lisboa.
Ao longo dos anos fui-me servindo dos Avôs e Avós dos meus amigos para compensar essa lacuna que era ser orfão de Avôs e Avós.
Não conheci os meus Avôs mas sei montes de histórias de outros Avôs.
Ainda hoje, 30 anos depois, sirvo-me de Avôs alheios para me sentir normal.

0 passageiros clandestinos:

Chamar a hospedeira para Postar um comentário

<< Regressar ao cockpit