terça-feira, outubro 31, 2006

Pôr os pontos nos bytes

Fala-se muito de plagiar e copiar e cortar e colar... Fala-se muito, mas não se faz nada!

“Isto está longe de ser uma situação pontual e chega a ser normal nos dias que correm, afinal, a blogoesfera é um espaço público de divulgação de opiniões próprias. E nós encaramos isso com alguma naturalidade e normalidade. Claro que ficamos chocados com a indigência e a manipulação implícitas, a que nem faltam laivos de perversidade mas são contingências do Mundo em que vivemos”.

Citação tirada do Correio da Manhã: António Lobato Faria, Editor da Oficina do Livro a respeito da controvérsia em torno do alegado plágio de Miguel Sousa Tavares conforme "denunciado" pelo alegado anterior autor do blog Freedom to Copy que provavelmente é o mesmo que era mas que agora diz que já não é... (?!)

É oportuno dizer sem citar que "Toda a publicidade é boa publicidade", conforme disse Rockfeller, mas como o gajo já morreu nem me vou preocupar muito em indicar a fonte. O Miguel Sousa Tavares agradece, e a sua Editora também.

(Nota mental para ver se alguém me oferece o "Equador" no Natal)

A esta nulidade de assunto pode-se ainda acrescentar, parafraseando, a expressão de outra plagiadora bem conhecida, Clara Pinto Correia, hoje reduzida a colunista do Jornal "24 Horas" e que na edição de ontem desse tablóide se refere à blogsfera como um local para "se destilar venêno". Ela lá saberá...

Ocorre-me aquela anedota dos gajos do Porto serem mais inteligentes que os gajos de Lisboa por terem mais 2 bytes, que são:
"-Byte foder!", e, "-Byte pró Caralho!"

É que para certas pessoas, plagiar é como roubar: Só tem vergonha quem é apanhado!

...e se alguém vier improvisar comigo, não há tribunal, é logo para resolver à paulada!

Previlégios...

Acho que vou tirar o resto do dia...

Ai, não me copies que me desafinas (parte 2)

O comentário que virou Post.

Notarás seguramente que a blogsfera é uma zona cinzenta da legislação pelo que o que escreveres no teu blog não está automaticamente abrangido por copyright, a não ser que recorras a registo na SPA (fazes isso?), e mesmo assim não é garantido.

Mais, imaginarás que não me compete a mim educar as pessoas, mas gratuitamente te dou a dica que no meu caso eu defendo as coisas que são importantes para mim, tudo o resto está ao teu dispor. Nitidamente o “umbiguismo” do teu blog é importante para ti, mas se o tens exposto na internet e não o defendes de que estás à espera? Do delirio da ética dos outros?

Arranja estaléca para publicar um livro que vais ver que já não te copiam (tão fácilmente) como se faz na blogsfera. De outra forma expões-te a que te copiem o “trabalho”, e não tem nada a ver com ética, tem a ver com oportunismo, e isso, se para uns é defeito, outros há que o consideram virtude. Caberá à formação de cada um interpretar o melhor que souber, por isso quem és tu para falares de ética? De que buraco saiste tu para questionares os meus valores? Eu não conhecia o teu blog mas não vejo que impérem por aqui grandes valores éticos como estás a tentar professar de forma satirica e lúdica no Post que estamos a comentar. (Terei oportunidade de ler mais alguns posts). O teu discurso passou de muito inteligente, no Post, para muito banal nos comentários. É que a febre dos blogs já passou, hoje qualquer gato pingado de vão de escada ou qualquer dona de casa tem blogs, lê blogs, e escreve o que bem lhe passa na real gana nos seus blogs... e isto acontece alimentado por milhares de bloggers que perderam o primeiro comboio e andam agora a sirandar de blog em blog como se estivessem no videoclube à procura de citações das suas estrelas de rock & roll.

Marco, acho que estás a ladrar à àrvore errada. Estás-me a falar de trabalho e de blogs no mesmo contexto e isso deixa-me perplexo, mas eu quero perceber isto:
-Tu “trabalhas” num blog??!
-Duas horas a “trabalhar” num post??!
É de loucos! O que é que um gajo como eu te pode dizer? Tu é que sabes o que fazes da tua vida meu. Mas dou-te mais uma dica: Quando arranjares um emprego “à séria” vais ver que deixas logo de ter tempo para essas frescuras.

Isto dito, espero que tenhas jogo de cintura suficiente para encaixares o que te estou a dizer sem enveredares por outra evacuação verbal descabida e assimiles sim que, isto dito, eu compreendo-te Marco, e concordo contigo, é de facto inglório e pouco gratificante termos uma pérola genuinamente nossa, que esgalhamos do fundo da alma, que a criamos e nos orgulhamos dela, para depois vir alguém com um par de “snips”, chegar, pegar, levar, e chamar-lhe seu. Compreendo a tua indignação, eu próprio encontro frequentemente passagens de coisas que escrevi, noutros blogs. É irritante tanto quanto é inóquo, mas seguramente não encontrarás passagens de Relatórios ou Pareceres elaborados por mim em lado nenhum... é que esses não levam duas horas, levam 2 mêses, e eu não preciso de ter anúncios, basta-me assinar por baixo.

Mas mais uma vez te dou a dica de que o “copianço” na internet está para ficar, e por muito barulho que faças contra isso, estás a remar contra a maré.

Eu por mim deixava isto assim.

ADENDA: Bom, e este foi o comentário do moço, não seria legítimo (ler ético) emisquir-me de o acrescentar aqui.

Bem, fazes aí um julgamento sumário da minha vida que é quase uma obra de ficção! Quando eu arranjar um emprego à séria vou deixar-me destas frescuras? LOL.

De qualquer maneira, emprego e trabalho são coisas distintas para mim. Faz sentido «trabalhar» duas horas num post sem que isso seja um emprego. Trabalhar com o objectivo de concretizar qualquer coisa pessoal. Isto é tão válido para os meus posts como para os teus Relatórios e Pareceres.

Mas não, espera, isto tudo para ti é «frescura», é coisa de loucos. Porque se trata de um blogue. Escrito por um dos palhaços dos blogues, como dizes tu no comentário anterior.
Não vale a pena. Numa coisa tens razão: estou mesmo a ladrar à árvore errada. Portanto fica na tua que eu fico na minha.

Mas convido-te a conhecer melhor o blogue, tenho muito prazer em que o faças.

Comment by Marco Santos 10.31.06 @ Ter 3:08 pm

Ai, não me copies que me desafinas...

A lista de links para outros blogs que está ali escarrapachada alfabeticamente na coluna do lado direito foi copiada do blog da Encandescente (Obrigadinho...). Não é seguramente uma lista de blogs que visito regularmente (tenho mais que fazer) nem tão pouco corresponde a uma preferência minha. É para todos os efeitos uma espécie de “base de trabalho”, como se fosse uma referência bibliografica.
Como este blog é relativamente recente, eu copiei-a como ponto de partida para constituir uma lista de blogs que me interesse linkar aqui, tal como já tinha feito no ”Interferência Sensitiva”.
A minha ideia é percorrer essa lista exaustivamente link-a-link para seleccionar e guardar os que me interessa, e mandar com o caraças os outros que para mim são inuteis. É uma tarefa demorada (para quem tem mais que fazer) mas que está quase concluida.
Pelo que já consegui apurar, a lista basicamente contém blogs de Poetas frustrados, Fotografos falhados, Professores não colocados, Jornalistas incompetentes, alguns blogs de exibicionismo, outros que procuram concorrer com sensacionalismo do telejornal da TVI, e alguns blogs pessoais e temáticos que são interessantes de ler. São estes últimos que me interessa guardar numa rubrica chamada “Primeira Classe”, os outros serão relegados para a “Classe Turistica”. Quanto aos poucos blogs que visito diariamente, esses encabeçarão o ranking na “Classe Executiva”; Mas nada disto está ainda feito (...já mencionei que tenho mais que fazer?).
Ora bem, então sobre precisamente esta temática de “copiar” cenas de outros blogs encontrei um Post fantástico no Bitaites. Gostei tanto que resolvi comentar.
Este foi o meu comentário, que era tudo o que queria postar aqui antes de me ter começado a espraiar sobre a classificação de links.

"Curti tanto este post que vou copia-lo para o meu blog (e talvez até me dê ao trabalho de indicar a proveniência, ou não!)
Sobre Copy/Paste, é assunto para onde cago de alto e de repuxo. Acho que só pessoas ressabiadas e inseguras se sentem ultrajadas por verem as suas palavras (desprovidadas de qualquer protecção de copyright, entenda-se) reproduzidas noutro lugar…
É curioso contudo constatar a forma como qualquer palhaço que escreve num blog, por uma lado tenta valorizar a sua “obra” com pseudo-reservas de autoria, mas por outro até dava o béfe e 3 vintens para que as suas palavras fossem copiadas e coladas nas páginas de um jornal qualquer.
Deixa-te disso filho, capacita-te que tens um blog e uma forma de escrita unicos, e que se te copiarem não estão a fazer mais do que alargar a abrangência da mensagem que querias fazer passar.

Agradece."


ADENDA: Esta foi a resposta do Marco Santos, autor e dono do blog Bitaites

Não. Não sou ressabiado nem inseguro, desculpa lá.

É curioso contudo constatar a forma como qualquer palhaço que escreve num blog, por uma lado tenta valorizar a sua “obra” com pseudo-reservas de autoria, mas por outro até dava o béfe e 3 vintens para que as suas palavras fossem copiadas e coladas nas páginas de um jornal qualquer.

Não. Continuava a ser gamanço. Desculpa lá.

Deixa-te disso filho, capacita-te que tens um blog e uma forma de escrita unicos, e que se te copiarem não estão a fazer mais do que alargar a abrangência da mensagem que querias fazer passar. Agradece.

Obrigado pelo elogio, “filho”, mas não me parece que copiarem o que eu escrevo seja uma forma de alargar a abrangência seja do que for.

A verdade é muito simples: este blogue dá trabalho. Dá-me trabalho a mim. Copiar não dá trabalho nenhum. Nem sequer é uma questão de copyright, é uma questão de ética - e essa questão é tão clara que eu sinceramente já nem sei o que te dizer.
Minimizas a responsabilidade de quem gama e desvalorizas quem trabalha. Porreiro. Parabéns.

Revê os teus valores. És suficientemente inteligente para perceber que eu não me comporto como uma prima-dona ofendida. Que dizes dos tipos que gamam posts e têm anúncios nos blogues? Se estivesses no meu lugar queria ver o que fazias. Imagina que demoras duas horas a escrever um post e o outro tipo copia e demorou cinco minutos e assume a autoria. Muito honesto, não é? Disso não falas tu. É que é muito fácil cagar postas de pescada quando não se está a ser afectado.Experimenta trabalhar durante duas horas num post e depois vê o teu trabalho ser publicado por outros. Aposto que vais bater palmas e ficar todo contente, não é?

----------

Quando tiver tempo vou lá responder...

É hoje...

Já passa da meia-noite, o meu dia de Halloween começou da forma mais assustadora possivel: Edite Estrela e Zita Seabra no programa Prós e Contras; Duas mulheres em plena menopausa a discutir a despenalização do aborto como se fossem adolescentes esganissadas.

segunda-feira, outubro 30, 2006

Associação de ideias

Não consigo pensar neste gajo sem me lembrar da Abelha Maia...

Boa acção do dia

Dear Blogger Support Team

I thought I’d bring to your attention that there is a sort of breach on the Blogger commenting system, which allows anyone to make FALSE comments on blogspot blogs using other peoples Blogspot cloned identity or even the identities of people who are not on Blogger
It works like this, click on the… (SECTION DELETED) …with the user profile photo.
As an example, note that some comments on this post are false, ie, I made comments on behalf of those identities and anyone reading those comments will assume that they are genuine.
To avoid this, I suggest you develop a code that enables the field… (SECTION DELETED) …only possible with their own Blogger Username and Password.

I hope this was helpful.

Best Regards

F (AKA, Piloto Automatico)

domingo, outubro 29, 2006

Faço tuas as minhas palavras.

sábado, outubro 28, 2006

Desafio-te

Este desafio anda por aí, fui busca-lo à Maria João, mas está aberto a quem quiser, aliás o que me levou a responder foi precisamente o facto de eu não ter sido designado em particular para responder.
Já agora aproveitei para lhe dar alguma dinâmica e acrescentei algumas perguntas, é que blogger que é blogger gosta mesmo é de falar de si próprio, por isso façam favor de acrescentar da vossa lavra!

Olhos?
A minha mãe gosta de dizer que eu tenho olhos cor de mel
Cabelos?
Castanho, ondulado
Idade?
36
Altura?
1,77
Peso?
75...
Nacionalidade?
Tuga (Alfacinha com uma costela do Porto e outra Transmontana)
Alcunhas de Infância?
Várias: Karpex, 4 olhos, Paco, PacMan, Paconassa, Jean-Paco Van Damme
Ascendência?
Pai: Amadeu Eduardo (1927-1991)
Mãe: Fernanda Marta
Irmãos e/ou Irmãs?
Madalena (42)
Noémia (45)
Raquel (1959-1960)
Adelaide (48)
Cristiana (51)
Susana (54)
Signo?
Leão com ascendente Leão (Signo chinês: Cão-1970)
Sapatos que está a usar?
Neste momento chinelos de casa, no dia-a-dia sapatos com o fato, ao fim de semana, sapatos de vela, botas (de motard ou texanas de biqueira quadrada) e ténis-bota “all star”
Medo?
Procuro sempre vencer os meus medos
Objectivo que gostaria de alcançar?
Um de cada vez
Frase que mais uso no msn?
Ok
Melhor parte do corpo?
Do meu? O cérebro é fixe...
Do dela? Todo!
Pepsi ou Coca-Cola?
Fui responsável operacional do “Pepsi-Challenge” em Portugal... Nem uma nem outra, só fazem mal.
MacDonald's ou Pizza Hut?
3 Cheese, 1 Batido e 1 Sundae... recordações dos tempos de Universidade!
Café ou capuccino?
Café, mas chamo-lhe “Bica”
Fuma?
Demais
Palavrões?
Foda-se, claro, olha ò caralho!
Perfume?
Minotaure – Paloma Picasso
Lado da cama?
Esquerdo
Canta?
...e encanta!
Toma banho todos os dias?
Não... Há dias em que não acordo a horas e outros em que não chego a casa sóbrio.
Gostava da escola?
Eu até gostava, mas a gaja não gostava muito de mim...
Acredita em si mesmo?
Sempre, a minha palavra é de ouro
Dá-se bem com os seus pais?
Lindamente com a minha Mãe, tenho pena de não ter convivido com o meu Pai já na minha fase de adulto.
Gosta de tempestades?
Se tiverem relâmpagos e trovões gosto de ir vê-las à beira Mar
Desporto?
Guarda-redes de Andebol (Equipa de Iniciados do Liceu), Boxe Tailandês, e BTT...
Nos últimos anos tenho praticado muito o lançamento de beata e o levantamento de copo.
Passatempos e Hobbies?
Xadrez, algum coleccionismo e tirar a mota da garagem ao fim de semana
Fobías e manías?
Tenho a mania que sou o maior!

No último mês.....

Bebeu alcool?
Sim...
Fumou?
Sim
Usou drogas?
Legais: Ansiolítico
Ilegais: Alguém me “Chamon”?
Fez compras?
Para mim, pouca coisa... Mas fiz as compras do mês (O leite e o detergente ainda andam aos trambolhões na bagageira do carro)
Comeu um pacote inteiro de bolachas?
Como 1 pacote de bolachas Maria por dia (palavra, numa malga, com leite, metade de manhã e metade à ceia, hábito desde puto)
Comeu sushi?
Comi arroz de marisco frio... Conta?
Fez biscoitos caseiros?
Não, mas fiz uma omelete de queijo muita boa!
Pintou ou cortou o cabelo?
Cortei-o
Roubou?
É provavel... Mas seguramente enganei alguém!
Número de filhos?
Ainda não recebi a encomenda, mas está no correio...
Como quer morrer?
In a blaze of glory!
Piercings?
Orelha esquerda furada há 20 anos
Tatuagens?
Tenho andado a pensar nisso...
Quantas vezes o seu nome apareceu nos jornais?
Fui “Marketing and Distribution Manager” num Jornal em Inglaterra, o meu nome aparecia na Ficha Tecnica.
Dei uma entrevista ao “Sud Ouest” quando estudava em Bordeaux
Apareci no meio do maralhal todo na 1ª página da “Capital” no dia seguinte ao primeiro concerto dos Rolling Stones em Alvalade, em...1990?
Cicatrizes no corpo?
Um total de 49 pontos repartidos por várias cicatrizes (de infância e adolescência) de onde se destacam 16 pontos de uma facada no braço direito e 4 pontos de uma facada no peito (em incidentes diferentes).
Do que se arrepende de ter feito?
A lista é longa mas é ilustre...
Cor favorita?
O azul é agradável aos olhos... a maior parte da minha roupa é azul.
Qual a disciplina favorita na escola?
Na escola: Português e Estudos Sociais.
No Liceu: História, Matemática, Filosofia e Inglês.
Na universidade: Estratégia, Economia, Marketing e Direito Comunitário
Um lugar onde nunca esteve e gostava de ir?
Tokyo
Manhãs ou Noites?
Geralmente manhãs, mas também muitas noites...
O que tem nos bolsos?
Este pijama não tem bolsos, mas tenho a paranóia de tirar tudo dos bolsos quando entro em casa, geralmente chaves, isqueiro, cigarros, guita, carteira, óculos-de-sol, canetas, telemovel e lenços de papel.
Em dez anos imagina-se......
A adorar ter cabelo grisalho e a bater coiros a pitinhas de 25

Este desafio é para ti.
Sim, para ti mesmo!
Vais ver que vais gostar!

sexta-feira, outubro 27, 2006

Eu, estou aqui...

If you are hungry
I will bake some bread for you
If you are worried
I will hold your head for you

If you can't sleep at night
I will screen your dreams for you

And if you feel uptight
I’ll make everything alright for you.

But f the key don't work
you can knock on the door
If the key don't work
you knock on the door
No matter how far away you seem
I am
always here at home...

Spearhead

Ele há dias

Há dias em que sinto uma merda qualquer agarrada à perna
que se arrasta e não me deixa avançar...
Há dias que parecem semanas.

quinta-feira, outubro 26, 2006

Torneira aberta

No início desta semana, tanto na Imprensa como na Blogsfera, falou-se bastante das supostas 10 horas de orgasmo que a reputada, dita sexologa clinica, Marta Crawford, anúncia corresponderem ao total de tempo de orgasmo que uma pessoa, que tenha vivido 50 anos de vida sexual activa, acumula ao fim da vida.
Neste blog essa curiosidade foi também assinalada, e foi levantada uma questão a esse respeito. “10 horas de orgasmo quanto dá em litros?”
Resolvi fazer um mini-estudo para encontrar uma resposta, que não será mais impertinente que a pergunta, ou que a própria questão original das 10 horas.
Indaguei empiricamente junto de alguns contactos no MSN, 5 Homens e 5 Mulheres, mas só obtive respostas... Inconclusivas:

Pergunta:
Quanto é que um gajo se “coisa” quando se “coisa”?

Respostas:
“Sei lá!”
“Umas gotinhas”
“Bué”
“Sei lá, duas colheres de sopa?”
“O mesmo que tu, urso”
“Ultimamente não “coiso”...”
“Depende da gaja”
“Com a mão esquerda ou com a mão direita?”
“Hãn? Quanto é que o quê??”
“Não sei, não costumo olhar.”


Depois deste exercicio de inquérito mal amanhado resignei-me e armei-me de calculadora, papel, caneta e outros utensilios e aqui vai!
Ora então 10 horas de orgasmo, 10 horas a “chegar-se”... Para calcular todo esse tempo de prazer, consecutivo, é necessário: Em primeiro lugar manter a cabeça fria, e depois analisar o acto isolado enquanto unidade e não no seu todo ao longo da vida. Desta forma poderá ser encontrada uma ordem de grandeza mensuravel que possa ser, errr... distribuida, linearmente, pela ordem de grandeza de que dispomos (falamos de horas, ie, tempo).
Quanto tempo dura um orgasmo? Há que distinguir entre orgasmo masculino e orgasmo feminino: Para tal e para este exercicio APENAS, descartamos ligeiramente o orgasmo feminino e concentramo-nos no orgasmo masculino. Quanto tempo dura em média o orgasmo de um homem?
Encontramos um valor ponderado de 5segundos. (Alguém discorda?) Parece mais tempo, mas não, são uns meros 5 segundos. Só de pensar nas tropelias que um gajo às vezes tem que passar para chegar a esses 5 segundos, é de loucos...
Contudo, desses 5 segundos de orgasmo nem tudo é ejaculação. Assim, reformula-se a questão e tenta-se descobrir quanto tempo dura a ejaculação.
Mais uma vez o valor médio encontrado é uma ponderação: 3 Segundos.
Já temos a nossa ordem de grandeza linear.
Agora falta a segunda ordem de grandeza (falamos em litragem), que uma vez apurada, será somada e repartida pela soma total da ordem de grandeza “Tempo”.
Formula-se assim a questão: “Quanto” é que se ejacula?
Aqui a ponderação é de 1.5 Centilitros, ou seja, 0.015 Litros (Valor apurado empiricamente).

Temos os valores todos, considerem-se os seguintes pressupostos:

Sabemos que em 10 horas há 600 Minutos ou 36000 Segundos
Sabemos que cada orgasmo dura 5 segundos
Sabemos que a ejaculação efectiva ocorre em apenas 3 segundos
Sabemos que por cada ejaculação se libertam 0.015 Litros
Assumindo que a vida sexual activa dura cerca de 50 anos
Sabemos que 50 anos correspondem a 18250 dias

Vamos às contas:

36000 Segundos / 5 Segundos = 7200 Orgasmos de 5 segundos
36000 Segundos / (1 x 3/5) = 21600 Segundos de ejaculação
7200 Orgasmos x 0.015 Litros = 108 Litros
18250 Dias / 7200 Orgasmos = 2.5 Orgasmos por dia

Pronto, para quem não sabia, durante 50 anos de vida sexual activa, um gajo tem um total de 10 horas de orgasmo, ou seja 7200 orgasmos, que correspondem a 2.5 orgasmos por dia, que no total se cifram em 108 Litros, ou seja a uma ejaculação de 6 horas seguidas!

Agora só espero que ela não dê por falta do copinho doseador para o detergente liquido...

quarta-feira, outubro 25, 2006

Refugio

A noite abateu-se sobre mim,
Como um manto,
Que me cobre e me esconde e me protege
Da luz do Sol...
Não sei onde nem quando nem porquê...
Não sei como,
Mas apanhei mêdo à luz do dia...
Boa noite!

terça-feira, outubro 24, 2006

Tântricuzinho

Também no mesmo Jornal (ver post abaixo) vinha uma notícia a dizer que uma pessoa que tenha uma vida sexual activa, chega ao fim da vida com um total de 10 horas acumuladas de Orgasmo (Junte-se-lhes as sarapitolas e essas 10 horas aumentam exponencialmente).
Ocorre-me perguntar, quanto é que é isso em litros?

segunda-feira, outubro 23, 2006

Eu sou o mais difícil

Segundo o Jornal correio da manhã, na sua edição de hoje, um homem foi condenado a pagar uma multa de 900€ por ter chamado "Cromos" aos elementos de uma brigada da GNR que o interpelavam em sua própria casa.
É lúdico demais!
Ora atente-se no grosseiro impropério que é chamar "cromo" a outra pessoa, senão vejamos... Parece-me claro que o adjectivo "cromo", no sentido mais abrangente, serve para identificar certos indivíduos que, atravéz de um conjunto de certas das suas acções, não se enquadrariam tão bem noutra definição mais específica. Chamar "cromo" a alguém, parece-me, pode ser considerado depreciativo (Cromo = Ridiculo, Idiota, desviante) mas também pode adquirir o carácter inverso (Cromo = exímio, aplicado, competente). No caso relatado, o tribunal considerou que era depreciativo para os Géninhos serem chamados "cromos"...
Mas "Cromo" enquanto adjectivo tem vários graus, há variantes: "Cromissimo", "Cromo da bola", "o Cromo mais difícil" (carinhosamente apelidado de "poster"), o "Cromático" e o meu favorito, o "Cromis andantis" (por vezes erradamente chamado "Cromagnon").
Mas a lei fala mais alto, e eu então estou lixado com este precedente da Jurisprudência... Não só não hesito em chamar-me a mim próprio "Cromo", aliás o mais difícil dos "cromos", mas também passo a vida a chamar "Cromo" a toda a gente, sim, cada qual à sua maneira: GNR, PSP, P. Municipal, PJ, SIS e Corpo Nacional de Escuteiros são todos uns grand'as "Cromos" (No caso da PSP, além de cromos também gosto de lhes chamar "Estrumpfes" que é o que parecem), os políticos são todos "Cromos" sendo o Sócrates e o Cavaco os "Cromos" da moda na actualidade, apenas superados pelo Durão (que além de "Cromo" é palhaço), pelo Alberto João (que além de "Cromo" é parvo) e pelo Bush (que além de "Cromo" é estúpido). Mas não são só estes, os padres são "cromos", os patrões são "cromos", os colegas são "cromos", a família são "cromos", os compatriotas são "cromos", os estrangeiros são "cromos", os bloggers são "cromos", cá no prédio além de mim também os vizinhos são "cromos", vivo apaixonadamente embriagado por uma "croma", os meus filhos vão ser "crominhos" até eu lhes ensinar a serem verdadeiros "cromos", enfim, para mim somos todos uns grand'as "cromos", e no futuro não vai haver mais mulheres e homens, apenas "cromos" e "cromas". Mas no limite, um "cromo" querer chamar "cromo" aos "cromos" da GNR e ser apanhado é sem dúvida a maior "cromisse" de todos os tempos!

Noodles

-Vais comer isso com "pauzinhos"?
-Xin

domingo, outubro 22, 2006

Mushroom Cloud Motherfucker

O Jantar foi bom, gostei particularmente de ter participado na parte de descascar os legumes e de virar as "douradas" no grelhador eléctrico que compramos na Worten... Depois foi uma garrafa de vinho, daquele baratinho mas que é tão bom, para animar uma conversa fixe, sobre amigos entre namorados, com cigarros e gargalhadas à mistura. Às vezes penso que não ajudo suficientemente nas tarefas domesticas, mas passa-me depressa porque amanhã também é dia (É que a louça ainda está por lavar)... De qualquer forma é domingo à noite, eu já lá vou ok?!
Ontem fomos à minha casa antiga, em S. João do Estoril. Foi "visíta de médico" mas foi fixe ver a minha irmã, e os cães (O Vadio já tem 17 anos, ah valente!). Antes de voltarmos para casa fomos ao Bar do Daniel (AKA "Alcatruz", na praia de Salazar em S. João do Estoril, nota mental para postar fotos e palavras sobre este lugar fantástico), o Daniel não estava lá mas comemos umas tostas mistas deliciosamente mergulhadas em manteiga! No caminho para casa enganei-me várias vezes (no IC19 e na A1) o que me irritou, de tal forma que à noite resolvi não sair logo e fiquei de "ir lá ter", só que adormeci a ver o "Arma mortifera 3" na televisão e só acordei hoje de manhã... AH, é verdade, acordei com um pesadelo lixado, sonhei que os sinos estavam a tocar a rebate, e a sirene dos bombeiros também, depois alguém se abraçou a mim e no meio de um pânico geral (com um mêdo do caraças!) viu-se um clarão e eu acordei no exacto momento da explosão nuclear que acabava com isto tudo... Fénix! Até fiquei taralhoco.
O fim de semana até foi fixe, então porque é que eu me sinto tão mal?

Construções na areia

Não é que esteja a abrir um buraco para me enterrar. Já passei largamente essa fase!
Agora estou dentro do buraco... e cada gesto que faço para sair parece que só serve para me enterrar ainda mais!

sábado, outubro 21, 2006

troca por troca

Nunca mais acabam os DVDs que o "Expresso" está a oferecer...
É que me apetecia comprar antes o "Sol".

sexta-feira, outubro 20, 2006

Fod@-se

Alguém me disse um dia para não me acanhar se sentir necessidade de dizer um palavrão porque não há nada como "o poder libertador de um Foda-se..." Acho graça à alegoria desta expressão, mas há coisas muito mais libertadoras.
Neste momento o Senhor Sting numa gravação ao vivo, a chuva lá fora, a Virago na garagem, o cheiro que ela deixou na cama... tudo isto dá-me vontade sair à rua e enfrentar o dia sem mêdo!
Mas se tudo isto falhasse, um mero "Foda-se" não seria suficientemente libertador, eu sou mais do género elaborado:
"Ahhh... foda-se, caralho, filhos da puta, 'tá-me tudo a querer foder! Cabrões de merda meu, pode ser que se fodam ò Caralho, Puta que os pariu a todos!"

quinta-feira, outubro 19, 2006

Uma SWOT para afinar os motores

S:
Paixão pela escrita
Fonte de experiências inesgotavel
Criatividade gráfica e ficcional
W:
Dislexía (má ortografia)
Dispersão de assuntos
Obtusidade de convicções
O:
Memento da Blogsfera
Exercicio de estilo próprio
Extrapolação a novos formatos
T:
Perda de interesse (já aconteceu antes)
Processo por difamação
Tarifação do alojamento virtual

...acho que vou alterar o template.

Portugal, também fui eu que inventei...

Arre burro! Andava eu todo lampeiro a fazer contas de sumir para mudar a rotina de comunicações cá de casa e a planear ligar o *22 quando dou comigo a acordar e a aperceber-me que estou em Portugal! É que só depois de ler isto, é que percebi este post. Bom, vou registar a minha intenção de adesão, se é de borla e é para sempre... só falta saber para quando é!
Para quem não sabe, na Russia todas as chamadas locais são de graça, mas não digam nada à ANACOM senão ela vai contar ao Putin...

quarta-feira, outubro 18, 2006

Triste Bucareste

Li na Visão que o Paulo Pedroso trabalha hoje na Romenia... É sabido mundialmente que a Romenia, para além de ser origem para a maior parte do trafico humano destinado à prostituição é também um dos principais destinos mundiais de pedofilia, onde as leis protegem mais os prevacaridores do que as vitimas.
Mas esta gente é toda parva?!

terça-feira, outubro 17, 2006

Terrorismo Doméstico

Se o vizinho não apresentar as contas do condominio brevemente lanço uma Jihad tão grande cá no prédio que isto vai precisar de obras outra vez!

segunda-feira, outubro 16, 2006

Grandes Tugas

Chegou a Portugal o grande debate, dito "debate nacional", para eleger o maior português de todos os tempos!!!
Quando digo "chegou a Portugal" é isso mesmo, chegou a Portugal depois de passar por mais de 10 países, ou seja, chegou importado, em formato televisivo, tal como o "Big Brother", o "Quem quer ser milionário" ou a velhinha "Roda da Sorte", entre tantos outros lixos de entretenimento de massas que proliferam nos nossos canais de televisão (É curioso reparar que este género de programas só tem mesmo lugar nos canais de sinal aberto).
Dito isto e posto de lado o sarcasmo, não deixa de ser interessante e construtivo pôr o país inteiro a refletir sobre a grandeza e os feitos protagonizados por inúmeros portugueses e portuguesas que desde os primórdios da história de Portugal até aos nossos dias, contribuiram para o desenvolvimento da nação e para elevar o nome de Portugal no mundo.
Esses Homens e Mulheres, notáveis das mais variadas disciplinas da ciência, da política, da vida social e religiosa, passando pelas ciências humanas e pela arte, são assim forçados a uma competição para serem elevados ao estatuto de "O Maior Português de sempre".
O conceito em si é tão idiota como é ignóbil.
Como é possível escolher-se o melhor? Com que critérios? Como é possivel comparar a literatura de Almeida Garrett com as cromisses da bola do José Mourinho? Como se consegue comparar o Carlos Lopes ao Marcelo Caetano? Como escolher entre o Egas Moniz e a Agustina Bessa Luís?
Mais ainda, como escolher um grande Português quando os feitos que protagonizou derivam da obra feita de outro grande Português? Ou de um conjunto de circunstâncias que lhe proporcionaram o elemento para se poder distinguir? Sim, como disse alguém um dia, qual é mais importante, o Descobridor ou o Rei que apostou nos Descobrimentos? E quem seria o Vasco da Gama se não fossem os marinheiros que manejaram a sua caravela? E se não fosse o sentimento de saturação nacional sobre a guerra nas colónias, o Capitão Salgueiro Maia não seria apenas mais um veterano do Ultramar, a sofrer de stress pós-traumático e com uma pensão de miséria? Como é possível pensar em Camões sem pensar na tolice de D. Sebastião? Como é possível pensar no Marquês do Pombal se não tivesse havido o Terramoto de 1755? Que artista de variedades seria o Zeca Afonso se não houvesse Ditadura? Quem seria o Álvaro Cunhal sem o Oliveira Salazar? Onde estaria o Padre Francisco Fanhais se não tivesse sido perseguido pelo Cardeal Cerejeira? O que teria sido a vida de Aristides de Sousa Mendes sem o compadrio do Estado com o regime da Alemanha Nazi? Em que Universidade Francesa estaria Mário Soares a leccionar filosofia se não fossem os militares que fizeram o 25 de Abril? Enfim, quem teriam sido todos os grandes portugueses se D. Afonso Henriques tivesse perdido a batalha de Ourique? Seriam hoje grandes espanhóis?
É impossível escolher um, um só, um que tenha sido melhor que os outros todos.
Quando penso em grandes portugueses surgem-me imediatamente 10 nomes na cabeça, não, 20 nomes... não, não, 50 nomes... Enfim, não consigo pensar só num, mas consigo pensar em muitos e muitos nomes de grandes portugueses.
Contudo, se tentar por um segundo que seja, eleger na minha cabeça o melhor de todos sinto-me muito pequenino, pequenino e distante dos feitos de todos os outros grandes portugueses que a minha pequenez não considerou para receberem o título de melhor de todos!
Perante isto, abri a página da RTP para votar naquele que penso ter sido o melhor de todos...
Mas qual não é a minha surpresa ao constatar que as regras deste concurso de televisão (não passa disso, sejamos claros) apenas permitem votar num indivíduo e não num grupo de indivíduos, como os Capitães de Abril, os Descobridores, ou os Pauliteiros de Miranda. Assim, aquele em que eu votaria ficará sem o voto, pois para mim, o grande herói nacional, o maior Português de todos os tempos é e será para sempre só um: O Povo Português!
Sou eu, és tu, é ele e é ela, somos todos nós!
Merda para isto!

domingo, outubro 15, 2006

Baila comigo

Gostei que tivesses ido ter, e foi fixe teres ido com ela...

Os peitos da cabritinha

Ontem fui ao baile... fartei-me de dançar, algo em que me torno exponencialmente exímio a cada "mine" que emborco. Foi um baile de beneficiência, boa causa, boa organização e boa disposição.
Acho que se fosse agora ao balão ainda acusava...

sábado, outubro 14, 2006

Ce tutoyer

Ce n'est pas un signal particulier de respect, c'est tout cour un moyen de comunication plus simple que de se vousvoyer artificiellement. Ainsi, on va se tutoyer, certs, mais garde un ecart de moi, tu n'est pas ma famille et je ne suis pas un des gamins de ta rue. Eloigne toi de moi, puisque on en a rien a voir l'un avec l'autre. Tu est trop petite comme personne, trop insignifiant, meche... En dehors de ça, ce que je veux le plus c'est que tu te vas faire enculer!

sexta-feira, outubro 13, 2006

Silêncio Violento

Às vezes simplesmente fico calado. Aprendi a ficar calado, a não exteriorizar comentários inflamatórios. Fico calado como quem diz que mêto "para dentro". Às vezes a vontade de gritar "-Basta!" é tão grande que me calo para não perder a voz.
Há vezes em que não falo, reservo-me no silêncio violento... Outras vezes digo tudo o que tenho para dizer, mas sei que ninguém me vai perceber!

Fiz outra viagem de mota
sem mapa e sempre a andar
Desta vez mudei a rota
mas acabei no mesmo lugar

Refugiei-me no silêncio violento
no barulho da música a respirar
Gostava de gritar ao vento
até a minha voz sangrar

Escrevo a vermelho sem côr
como se a tinta fosse vinho
e escreveria a minha dor
nem que estivesse no Minho

Mas por mais que escreva palavras
como se pintasse uma tela
escrevo sempre por duas lavras
que arde dos dois lados a vela

...e olho para dentro de mim
a batalhar sem ter canhão
e digo a tudo que sim
quando devia dizer não

Tenho mil poemas para escrever
ideias que me correm na mente
mas a caneta é sangue a escorrer
são mágoas que a alma sente

Então aumento o volume do som
rebento os timpanos com memórias
as cores da vida perdem o tom
e revivo as mesmas histórias

Não me consigo libertar
da tal prisão em mim
já nem consigo gritar
só digo a tudo que sim

Se escrevo tenho esperança
há algo em mim que insiste
é um canivete, não é uma lança
mas ainda tenta e resiste

Se a escrita não libertar
talvez me possa ajudar
a esquecer-me deste lugar
de onde não consigo escapar

Só eu sei o que estou a sentir
trago o mundo nos meus ombros
mas mesmo num mundo de escombros
Eu nunca hei de fugir

Por isso continuo a escrever
pendurado na canêta
que é arma para defender
sem balas nem baioneta

Calado vou andando em frente
no silêncio que abafa a dor
mas dentro da minha mente
está um barulho ensurdecedor

(Escrito a 14 de Agosto de 2006)

quinta-feira, outubro 12, 2006

Dia esmagador









Joe Satriani

quarta-feira, outubro 11, 2006

Corsair v/s Cross

Ora aqui está uma tentativa de fazer um Super-heroi... Nesta imagem (à esquerda) saiu um bocado apaneleirado, parece um membro dos "Village People" a dar uma de YMCA, mas o que me interessava mesmo era captar o conceito de Corsário Vintage lixado para a porrada e não a onda fisionómica desta imagem. Até poderá ficar assim, afinal, corsário é marinheiro e marinheiro também é o "Tom of Finland"! Na imagem do lado direiro tentei criar um Super-Vilão altamente elaborado que lhe faça justiça... Sim, como disse num post mais abaixo, o super-vilão é sempre um personagem mais rico que o Super-heroi e a propósito, tenho a agradecer ao pessoal da Arte da Fuga por me mostrarem o link para o site The Krytonian onde se pode criar um super-heroi em tempo real. Agora, se tivesse vontade e engenho, lançar-me-ia na criação de uma banda desenhada, mas fico-me pelas aventuras do Corsair e do Cross unicamente na minha cabeça...

Jogar PC, eu? Só se for PacMan!

...eu até já o jornal tinha lido em voz alta, numa tentativa de a distrair, para eu me apoderar do PC, quando subitamente, o PC ficou livre e ela desapareceu para o quarto! Saltei para cadeira ainda morna mas ao olhar para as horas (00:25am) lá me apercebi do que se tinha passado, e parece que vou ter que ver o filme da TVI na televisão do campismo (com ecran de 16 cms a preto & branco)!
Não sei se deva cantar vitória... Senão vejamos: Já tive oportunidade de ver a "Letra L", um ou dois excertos de episódios perdidos no zapping compulsivo. É uma séria engraçada, com 2 ou 3 actrizes que reconheço e não desgosto. Se o enredo pode interessar (é uma série que retrata relações humanas e sociais do quotidiano urbano), já as cenas de sexo deixam algo a desejar, não são suficientemente hard-core para a classificação de filme pornografico, mas são gráficas e alusivas quanto baste para justificar uma bolinha vermelha no canto do ecran do normalmente certinho e atinado canal 2:
Ao ver a Letra L não posso deixar de me lembrar de alguns episódios da minha adolescência, e na cabeça da lista vêm as 2 Suissas que depois do Coconuts me levaram com um amigo para o Hotel Baia, ou daquela namorada que depois de andar comigo se embrulhou com uma colega de faculdade, lembro-me de ir com outro amigo ver o filme "Minouche a insaciavel" no Cinema Olympia e de ter dado um encherto de porrada com o capacete no palhaço que se sentou ao meu lado e me pôs a mão na perna, lembro-me também de todos os meus colegas Gays com quem trabalhei num Restaurante em Inglaterra, que me levavam a festas e bares muito malucos mas onde todos me respeitavam e à minha sexualidade, tanto como eu os respeitava a eles, enfim, lembro-me de ter bem em mente que por muitas anedotas que conheça não sou homofobico. Assim, não canto vitória hoje, mas prefiro ver um filme, efémero, do que seguir uma espécie de novela, que se arrasta e se pavoneia mas que não é mais do que um fenomeno televisivo, que a seu tempo, assim que outro qualquer o venha substituir, se tornará efémero também.
Ao não ver a "Letra L" hoje, consegui passar o 5º nivel do PacMan e dei a volta ao jogo, e aproveitei para escrever estas palavras, e ao procurar na Internet uma imagem conveniente para as ilustrar, desbloqueei o controlo de conteudo do Google Images... o Resultado foi deparar-me com a realidade que aparece associada à expressão gráfica da homossexualidade ou do Lesbianismo (ou da pornografia em geral para esse efeito). Trata-se de explorar uma mera caracteristica da natureza humana, a curiosidade (também conhecida por voyeurismo). Ora eu não nego a minha curiosidade, o meu voyeurismo, e ao pesquisar palavras como "lesbian", "Girl Sex", etc... deparei-me com grandes embrulhanços dignos de multiplas bolinhas vermelhas no canto do monitor, e vi-as, e procurei mais, deixei-me levar de Link em Link, alarguei a pesquisa para "Threesome", "gay sex" e afins, e descobri sites muito badalhocos e outros ainda mais sujos, e mais a que, se chamar pelo nome, vou ter que incluir uma bolinha vermelha no canto do template deste blog (Olha, é uma ideia gira!)... Bom, o voyeurismo é assim mesmo, e também se pode chamar pelo seu nome, ou então pode-se mascara-lo e chamar-lhe outra coisa qualquer, algo moderno e dinâmico, mas que não choque, algo disfarçado de coisa bonita, sim, de coisa artistica, pode-se chamar ao voyeurismo algo soft, algo aceitavel, algo como... "Letra L".

terça-feira, outubro 10, 2006

"L" de Lamber

Neste momento está o mulherêdo todo a ver a "Letra L"...

segunda-feira, outubro 09, 2006

Crise de identidade (Parte 2)

Piloto Invisivel?
Invisivel Automático?
O Invisible entrou em Velocidade de Cruzeiro!

Mudásti, Invisible, mas continuas a divagar...

Esta já foi a minha cara. Não, esta é a minha cara... não, não, esta já foi a cara com que me apresentei noutro blog (link no título deste post), assim é que é. Perante isto, o que me levou a mudar de cara? A mudar de "nome"? Não sei... apeteceu-me, sei lá, uma forma de dinamizar este novo blog. Não tinha pensado nisso, nas implicações (à beira da crise de identidade) de mudar de nome, de mudar de cara, de mudar de blog e tudo isto sem mudar de personalidade... Acho que o "Piloto Automático" é simplesmente a Persona deste blog, tal como o "Invisible" era o gajo que assinava o "Interferência Sensitiva". É uma possibilidade que nos é oferecida ao assinarmos um blog, podemos assumir uma identidade paralela à nossa identidade real. Apercebo-me que nos últimos mêses a vontade que eu tinha de continuar a animar um blog coincidia com as vontades de outras pessoas que me diziam para continuar a escrever no "Interferência Sensitiva"... Por isso, agora que acabou o "interferência Sensitiva", escrevo aqui.
Aliás, para quem já lá aterrou basta olhar para este template para rever um antigo template do "Interferência Sensitiva" (nota mental para mudar a imagem de background) o que indica que não há nenhuma vontade dissimulada de dissimular a minha identidade neste blog, nem tão pouco de romper com o meu antigo Blog.
Pronto, já chega de explicações.

Código

Perguntaram-me se o bichinho de manter um blog tinha voltado... A minha resposta foi cabal: Sim. Mas faltou explicar que esse bichinho pouco ou nada tem a ver com blogs, simplesmente existe, em mim, sempre existiu, desde que aprendi a escrever. Escrevo porque faz parte de mim criar coisas e a escrita não é mais do que uma criação que me nasce da imaginação, de coração, ou de lugares mais recondidos ainda, da alma. Escrevo aqui como se escrevesse numa folha de papel rasgada...

sábado, outubro 07, 2006

Mochila azul

(Escrito noutro lugar)
Deixei-me ficar quieto, como se a escolha dos lugares vazios fosse tão aleatória que só mesmo à minha frente é que eles se poderiam sentar, e ainda há 10 minutos esta carruagem estava cheia.
O freio fez um barulho estridente que não me deixava ouvir a conversa mas adivinhava-se nas expressões dela o que ele lhe estava a dizer.
A presença deles incomodou-me.
Ele continuava a insulta-la e ela a calar-se, a angústia transpirava-lhe dos olhos com medo e os soluços vomitavam envergonhados da boca pequena, e ele continuava.
“A culpa é tua, és sempre a mesma merda, fazem de ti o que querem”.
Cruzei os olhos com ela e pisquei-lhe o olho. Ela parou de soluçar, como se o enchurrilho de ralhetes tivesse parado de repente. Descruzei a perna já dormente e sem querer toquei-lhe no pé, murmurei um desculpe que não teve resposta, mas que foi o suficiente para ele se calar e desviar as atenções para mim.
Fixei-o, grave e agudo.
A voz gravada do intercomunicador anunciou a próxima paragem, a minha, a penúltima deste ramal.
Levantei-me e saí para a plataforma. Coloquei o saco ao tira-colo e acendi um cigarro. Enquanto guardava o isqueiro olhei de relance para dentro da carruagem que se afastava e vi-a a olhar para mim. Pisquei-lhe o olho outra vez e ela acenou com a tira da mochila azul, e sorriu.
Quanto vale o sorriso de uma criança?

sexta-feira, outubro 06, 2006

Virtual

Não imagino como será ser-se um super-heroi, não consigo sequer visualizar um fato ou um conjunto de super-poderes... Mas sei o que é sentir-se na pele de um super-vilão, que diga-se é muito mais atractivo. Nos filmes, nos livros e nas bandas desenhadas o mau da fita é sempre muito mais elaborado que o personagem principal. Veja-se o Joker, o Blofeld, o Bluto, ou um replicant (respectivamente arqui-inimigos do Batman, do 007, do Popey e do Blade Runner). São personagens ricas em conteudo e à sua maneira opostas do protagonista.
Na vida real também há estas ligações entre os "bons" e os "maus", e a Internet não é excepção: Na internet eu sou o "bom", e os "maus" são os otários que criaram a porcaria do virus W32 que me vai fazer ter que formatar a Drive C:/ e perder inumeros ficheiros insubestituiveis.
Mas vou prevalecer, o "bom" tem quase sempre uma vantagem sobre o "mau", é que o "bom" no fim, sobrevive... Posted by Picasa

quarta-feira, outubro 04, 2006

Auto -retrato

Enquanto faço a barba a sêco com a minha Aochengshishangjingpin (luxury rechargable shaver made in China) contemplo no espelho as marcas de 35 Verões que exibo no rosto.
As covinhas das bochechas são agora dois riscos que, embora já me tenham dito que são sexy, começam a estar demasiado alinhados com as 3 ruguinhas de expressão que imprimem um sorriso falso nos cantos dos meus olhos. Não incomoda muito o meu narcisismo já que até serve para compensar o nariz aquilino, estragado por ter sido partido vezes de mais, mas que mesmo parecendo uma batata ainda completa o formato simétrico e aveludado dos lábios, da minha boca, a tal boca das maravilhas.
Por cima de mim, a lâmpada de 40 wts chega e sobra para iluminar minusculos reflexos brancos mal semeados nas minhas temporas, pequenos cabelos brancos de que me orgulho estupidamente e sem saber porquê. Nitidamente dentro de 10 anos terei o cabelo grizalho como um tal de Amadeu Eduardo, que morreu há uns anos e mandava nisto tudo.
O barulho da máquina-de-barbear incomoda-me, quase tanto quanto me incomoda questionar-me se ainda tenho idade para andar com esta argola pendurada na orelha... Felizmente a unica tatuagem que tenho é na alma.
Olho para os braços musculados que contraio automaticamente a cada gesto e com uma ligeira rotação do tronco mostro a uma audiencia invisivel que os dorsais fazem um “V” e ligam os peitorais minimamente bem definidos numa mancha de pilosidade uniformemente distribuida e que nunca me pareceu ser demasiada.
Afasto da cabeça o pensamento que já estive com mulheres com menos mãmas que eu...
Mais abaixo, enquanto sacudo os pêlos cortados das lâminas, tomo consciencia que o six-pack abdominal ainda está todo lá, definido como uma embalagem de ½ duzia de ovos, mas meio escondido pelos 3 kilos a mais que me fazem agora usar calças 42 em vez dos 40 que usava nem há 5 anos atrás. Sem me perder com a idolatração phaelica que tinha na puberdade volto a passar a máquina pela pele da garganta, contornando a maçã de adão, e pelo meio do som da música que vem da sala ensaio a voz grave que se perde no eco dos azulejos côr-de-burro-quando-foge.
A sombra que projecto na parede atrás de mim chama a minha atenção e lembro o meu antigo barbeiro a dizer-me que tenho o craneo bem feito para usar cabelo curto.
Tenho é o craneo cheio Ó Sô Joaquim, cheio a abarrotar...
Olho-me no espelho e vejo que sou um reflexo de mim, é tudo o que sou, e apago a luz.

Já vestido penso nestas palavras que escrevo e caio na realidade.
Eu não sou só aquilo que vejo no espelho, também sou o que sinto, o que acredito, e o que faço. Não tenho duvidas de mim, do que já fiz, que por muito que seja, não é nada perto do que ainda quero fazer. Eu também sou o que digo ...e se hoje a minha palavra vale ouro, foi porque dei tudo o que tinha quando só tinha a minha palavra para dar.
A palavra tem o peso que tem, tem o peso que lhe é dado quando é verdade e o peso inverso quando é mentira. Mas paradoxalmente com uma palavra apenas se promove a verdade, e com uma palavra apenas se perdoa a mentira.
Eu sei que por ter dúvidas da verdade não vou saber perdoar a mentira, e vou morrer um bocadinho todos os dias, porque eu não sou só o que mostro, também sou o que sinto, e na dúvida, o que sinto morrerá comigo um bocadinho por dia também e a escolha que faço, faço-o da melhor maneira que sei, mas já não sei bem o que estou a escolher, como se escolhesse sem saber.
As palavras são por vezes tudo o que tenho, e eu faço o que digo e digo o que faço, e quando as palavras que existem não me chegam, eu crio palavras novas, re-invento a gramática para me fazer entender.
Hoje não sei conjugar o verbo “Saber”, nem no modo Passado, nem no modo Presente, e muito menos no modo Futuro. Só sei conjugar o verbo no modo Intemporal, o modo da Dúvida.

Eu sei
Que tu sabes
Que eu sei.
Também sei
Que tu me sabes dizer
Aquilo que eu sei.
Mas eu não sei
Se tu sabes,
Que eu não sei nada
E tu nada sabes,
Se não me souberes dizer
Aquilo que não sabes
Se eu sei

O Blog da “Interferência Sensitiva” acabou aqui.

domingo, outubro 01, 2006

...a muitos Km/h...

Vai de si que se começava a impor um novo blog...

Marcadores: , , ,